20:43 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Coronavírus se espalha pelo mundo (498)
    12282
    Nos siga no

    A decisão dos Estados Unidos de orientar seus cidadãos a deixar o Brasil e voltar ao seu país natal imediatamente mostra que Washington reconhece a crise criada pela COVID-19, avalia especialista ouvido pela Sputnik Brasil.

    As autoridades estadunidenses publicaram nota por meio da Embaixada dos EUA no Brasil com a lista de voos que partem de território brasileiro rumo aos Estados Unidos nos próximos dias e alertou que o número de opções para o retorno devem diminuir. 

    "Os cidadãos dos EUA que desejam retornar aos Estados Unidos devem fazê-lo o mais rápido possível pois a situação de viagem está mudando muito rapidamente e a disponibilidade de voos está sujeita a alterações. Os horários de  voos  domésticos no Brasil também estão sendo reduzidos significativamente, e os cidadãos dos EUA que atualmente estão fora dos portões internacionais identificados abaixo também devem monitorar sua capacidade de obter um  voo  de conexão, consultando o site do aeroporto mais próximo", disse a Embaixada dos EUA no Brasil.

    Para Leonardo Paz, cientista político e professor do Ibmec, a diretriz indica que o Departamento de Estado dos EUA acredita que a situação é "crítica", embora a repatriação de estrangeiros seja prática comum para a diplomacia. Ainda que Jair Bolsonaro busque ressaltar seus laços com o presidente dos EUA, Donald Trump, a pandemia é uma realidade, diz o analista.

    "É a política externa de cada país operando como ela deveria ser, então não deveria guardar nenhuma relação com a relação entre os dois presidentes", diz Paz à Sputnik Brasil. 

    Na atual situação de crise global e hospitalar, avalia o professor do Ibmec, estrangeiros podem ter dificuldade de ter acesso ao tratamento médico adequado, daí a necessidade de repatriar cidadãos no exterior. Brasileiros em Portugal, por exemplo, buscam a ajuda das autoridades do Itamaraty para voltar. 

    A atuação de Bolsonaro, todavia, é vista com desconfiança pelo mundo, diz Paz. O analista destaca os ruídos na comunicação entre o Palácio do Planalto e governadores como fator negativo.

    "A postura de Bolsonaro não tem soado muito bem. Ainda que não tenhamos vistos muitas autoridades de outros países dando entrevistas específicas sobre a postura de Bolsonaro, acho que ninguém está muito preocupado com isso neste momento [porque] cada um tem uma bomba relógio em seu colo em relação a quando chegará o pico da infecção, da pandemia", diz Paz.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus se espalha pelo mundo (498)

    Mais:

    Documento revela insuficiência de equipamentos para combater coronavírus na UE
    Coronavírus estimula venda de armas nos EUA
    Moscou constrói hospital para combater coronavírus em tempo recorde
    Corte de Londres se recusa a liberar Assange em meio à pandemia do coronavírus
    Bolívia ameaça prender por até 10 anos quem descumprir quarentena contra coronavírus
    Tags:
    embaixada, Brasil, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar