21:22 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    12281
    Nos siga no

    O filme sul-coreano "Parasita", candidato ao Oscar 2020 em várias categorias, põe em discussão a questão da desigualdade social, e Brasil vira referência na mídia internacional como um caso mais grave.

    Com o grande sucesso do filme Parasita, que retrata de maneira tragicômica o abismo social na Coreia do Sul, o tema da desigualdade social ganhou destaque na imprensa internacional e acabou respingando no Brasil, que foi retratado como um caso muito pior do que o país asiático.

    Um exemplo foi um artigo publicado pela agência Bloomberg, que aponta exagero no filme, pois faz parecer que "a Coreia do Sul é uma versão asiática do Brasil". O Washington Post, por sua vez, publicou que o país de Parasita é desigual, mas não é "uma África do Sul ou um Brasil".

    ​O economista e diretor do Núcleo de Prospecção e Inteligência Internacional (NPII) da FGV, Renato Galvão Flores, em entrevista à Sputnik Brasil, observou que a desigualdade social é um aspecto "inerente ao capitalismo" devido à sua dinâmica concentradora de renda, embora o Brasil apresente um quadro realmente mais grave.

    "No nosso país, devido à política econômica que foi conduzida durante os governos militares, foi adotado um modelo de crescimento concentrador de renda, então nós temos uma desigualdade crescente que remonta ao período militar, que só mais ou menos há uns 20-30 anos se começou a pensar efetivamente em reverter essa situação", argumenta.

    "Então nós temos um legado de desigualdade que é completamente diferente do desenvolvimento da Coreia do Sul", acrescentou o especialista em política econômica internacional Renato Galvão Flores.

    De acordo com os dados da ONU, na Coreia do Sul a fatia do 1% mais rico do país fica com 12,2% da riqueza nacional, enquanto no Brasil a mesma parcela detém 28,3% da renda. O Brasil está em 2º lugar no mapa da concentração de renda, enquanto a Coreia do Sul ocupa a 34ª posição.

    Desigualdade social: vista da favela de Paraisópolis, ao lado de um dos bairros mais ricos de São Paulo, o Morumbi
    © Folhapress / Eduardo Knapp
    Desigualdade social: vista da favela de Paraisópolis, ao lado de um dos bairros mais ricos de São Paulo, o Morumbi

    Ao comentar quais medidas o governo brasileiro poderia adotar para combater a desigualdade social no país, o economista destacou a importância do estímulo e uma política cuidadosa com a educação, porque a "educação é outro fator de redução da desigualdade".

    "E aí há uma coisa muito interessante, voltando à comparação com a Coreia do Sul. A Coreia do Sul investiu muito em educação e tem uma população muito bem educada [...] No entanto, o processo de concentração está começando a se agravar. O fenômeno da desigualdade é um fenômeno inerente à dinâmica capitalista. Então é preciso sempre estar acompanhando a evolução da economia para não deixar haver algum modo de desenvolvimento que comece a acentuar a desigualdade", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Desemprego e corte de políticas sociais aumentaram extrema pobreza no Brasil, diz especialista
    'Coringa' lidera Oscar com 11 indicações
    Brasileiro 'Democracia em Vertigem' é indicado ao Oscar
    Tags:
    pobreza, desigualdade, filme, Oscar, Coreia do Sul, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar