19:29 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    19200
    Nos siga no

    Em meio à turbulência causada pelo assassinato do general iraniano Qassem Soleimani em ataque dos EUA, o governo brasileiro participou da Conferência Ministerial Hemisférica de Luta contra o Terrorismo.

    Representado pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, o Brasil participou da conferência e divulgou um comunicado condenando o terrorismo e afirmando o compromisso de combater organizações terroristas do Oriente Médio e das Américas ao final do evento. A declaração foi assinada de maneira conjunta por 18 países.

    O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, afirmou que grupos terroristas transnacionais, incluindo o Hezbollah, apoiado pelo Irã, ainda estão ativos no Hemisfério Ocidental.

    O professor titular de História do Poder e da Cultura da Universidade Federal de Juiz de Fora, Francisco Carlos Teixeira da Silva, em entrevista à Sputnik Brasil, afirmou que os EUA buscaram aproveitar a reunião para angariar apoio na sua investida contra o Irã, vinculando o governo de Teerã ao terrorismo, mas destacou que este vínculo é difícil de estabelecer.

    "Há uma acusação direta, na declaração final, contra a Al-Qaeda e o Daesh [organizações terroristas proibidas na Rússia e em uma série de países] e outras organizações terroristas que atuam principalmente no Peru e na Colômbia. O vínculo entre essas organizações e o Irã é muito difícil de estabelecer, principalmente porque o Daesh e a Al-Qaeda são organizações de orientação sunita, muito contrária à maioria da população e a orientação religiosa do governo de Teerã", argumentou.

    De acordo com ele, há um "malabarismo semântico no documento que mostra uma dificuldade dos EUA de vincular o Irã ao terrorismo na declaração final".

    O especialista observou que é muito difícil hoje em dia definir de maneira consensual o que é exatamente terrorismo.

    "Nós não temos um consenso sobre o que é terrorismo. Inclusive no Brasil, embora nós tenhamos uma lei terrorista, a discussão sobre terrorismo é muito complexa e difícil de ser estabelecida com clareza", afirmou.

    "A ideia de que se usa a violência e o terror para obrigar um governo, ou levar a sociedade a fazer alguma coisa, ou deixar de fazer alguma coisa, através do medo gerado pela violência política, é uma coisa muito questionável e muito difícil de ter consenso", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Lavrov: ao menos 6 caças F-35 estavam perto da fronteira iraniana após Irã ter atacado bases dos EUA
    Tensões entre EUA e Irã vão afetar mercado financeiro no Brasil?
    EUA e Colômbia irão realizar exercícios militares conjuntos
    Tags:
    Al-Qaeda, Daesh, terrorismo, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar