18:08 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    9311
    Nos siga no

    Exploração de petróleo e gás e mudanças climáticas geram aumento no interesse dos países no Ártico, onde projetos de cooperação coexistem com rivalidade militar. Quais são os riscos de conflito na região e quais os interesses do Brasil nesse oceano gelado?

    Nesta segunda-feira (20), representante do Ministério das Relações Exteriores da Rússia irá lançar o projeto de uma estação internacional de geração limpa de energia no Ártico.

    A estação, que irá operar com fontes renováveis e hidrogênio, será uma plataforma de cooperação entre engenheiros para desenvolver tecnologias que melhorem a qualidade de vida e de trabalho no Ártico.

    Projetos de cooperação como esse coexistem com a rivalidade estratégica entre grandes potências na região e a retórica focada na competição e militarização do oceano gelado.

    O derretimento das geleiras deve possibilitar a exploração de petróleo e gás e o uso de novas rotas marítimas. Além disso, torna-se mais urgente a necessidade de delimitação de fronteiras entre os países da região – Rússia, EUA, Canadá, Groenlândia (região autônoma da Dinamarca) e Noruega.

    Iceberg no Oceano Ártico, próximo à costa russa. Mudanças climáticas estimulam a exploração de recursos naturais
    © Sputnik / Iliya Timin
    Iceberg no Oceano Ártico, próximo à costa russa. Mudanças climáticas estimulam a exploração de recursos naturais

    O aumento do interesse pelo Ártico, aliado às tensões geopolíticas entre EUA, Rússia e China, gera preocupação entre os especialistas. Uma publicação recente da pesquisadora Ekaterina Klimenko, do Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo (SIPRI, na sigla em inglês), avaliou os riscos de escalada militar na região.

    Para compreender as relações entre as grandes potências na região, a Sputnik Brasil conversou com o professor do Instituto de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO, na sigla em russo) OIeg Aleksandrov, que confirma: "A China e os EUA reativaram suas políticas para o Ártico nos últimos anos."

    Recursos naturais

    As reservas de petróleo e gás do Ártico estão cada vez mais acessíveis às empresas de extração. A sua exploração, no entanto, aumenta os riscos ao ecossistema regional, já bastante fragilizado.

    Por outro lado, as indústrias extrativistas poderiam fornecer uma base para o desenvolvimento econômico e geração de empregos na região.

    Morsa é vista na costa russa do  Ártico. Exploração de recursos naturais deve conviver com preservação do ecossistema frágil da região
    © Sputnik / Iliya Timin
    Morsa é vista na costa russa do Ártico. Exploração de recursos naturais deve conviver com preservação do ecossistema frágil da região

    Diversos países do Ártico são dependentes da exportação de combustíveis fósseis, mas se comprometeram a diminuir seu uso ao assinar os Acordos de Paris sobre o clima de 2016. A Rússia engaja-se cada vez mais na agenda climática internacional e assinou os Acordos de Paris em setembro de 2019.

    Para Moscou, a participação de países como a China nas atividades econômicas no Ártico deve ser aliada ao compromisso com a preservação ambiental.

    "Moscou espera que Pequim se junte às normas internacionais de proteção do meio ambiente no Ártico e assuma obrigações concretas nesse sentido", disse Aleksandrov.

    A China é um dos países que mais intensificou suas atividades no Ártico. A política oficial de Pequim reconhece a soberania dos países da região, mas enfatiza o direito chinês de conduzir "pesquisa científica, navegação, sobrevoo" na área, "assim como o seu direito à exploração de recursos".

    Aspecto militar

    A competição estratégica entre EUA, Rússia e China no Ártico está na ordem do dia. A estratégia para o Ártico dos EUA declara que a presença de Moscou e Pequim na região é uma ameaça aos interesses dos EUA. O documento recomenda que Washington aumente a sua frota de navios quebra-gelo.

    De fato, a frota de quebra-gelos dos EUA, que conta com 5 embarcações, é bastante reduzida quando comparada à russa – que conta com cerca de 40 navios, incluindo 4 a propulsão nuclear.

    Quebra-gelo nuclear Yamal durante pesquisas no mar de Kara, que fizeram parte da maior expedição mundial ao Ártico
    © Sputnik / Valery Melnikov
    Quebra-gelo nuclear Yamal durante pesquisas no mar de Kara, que fizeram parte da maior expedição mundial ao Ártico

    Mas Aleksandrov lembra que, apesar do alarde, os quebra-gelos são embarcações utilizadas, sobretudo, para fins econômicos.

    "A frota russa é empregada para desempenhar funções bastante concretas: garantir o trânsito de embarcações pela rota marítima do norte e fazer a escolta de navios. Mas a verdade é que os EUA não precisam de uma frota de quebra-gelos tão grande", explicou.

    Para ele, a pequena frota de quebra-gelos norte-americana é um indicativo de que o país até agora "não se considerava uma potência do Norte e não perseguia interesses econômicos no Ártico".

    De qualquer forma, os EUA parecem estar bastante preocupados e reativaram a sua Segunda Frota, focada em conter as atividades da Marinha russa no Ártico, segundo Klimenko.

    O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, declarou que não há motivos para acreditar que a Rússia não repita o seu "padrão de comportamento agressivo" no Ártico.

    Para Aleksandrov, Pompeo não está preocupado com o desenvolvimento da frota de quebra-gelos da Rússia, mas sim com a cooperação entre Moscou e Pequim na região:

    "O que me parece ser o grande motivo de preocupação de Pompeo são os planos chineses de desenvolver a rota marítima do norte junto com a Rússia."

    Rota marítima do norte

    O aquecimento do clima na região do Ártico pode expandir o uso da rota marítima do norte para o transporte de mercadorias entre Ásia e Europa. A rota, que do lado russo vai desde Vladivostok até São Petersburgo, se estende por cerca de 14 mil quilômetros.

    A rota marítima do norte é muito mais curta que as utilizadas atualmente para o comércio marítimo. O trajeto marítimo entre Roterdã e Tóquio pela rota do norte é de cerca de 15.900 km, enquanto a rota do sul, passando pelo Canal de Suez, é de cerca de 21.100 km.

    Urso polar branco salta entre formações de gelo no Oceano Ártico
    © Sputnik / Vera Kostamo
    Urso polar branco salta entre formações de gelo no Oceano Ártico

    No entanto, os países da região divergem sobre como administrar essa rota. A Rússia quer que todas as embarcações obtenham permissão prévia e sejam escoltadas por um quebra-gelo russo. Por outro lado, países como EUA e China defendem o regime de livre navegação.

    "A Rússia e a China tem abordagens diferentes no tocante à rota marítima do norte. A posição de Pequim é mais próxima da norte-americana", disse Aleksandrov. Para ele, isso é um indicativo de que "a cooperação entre a Rússia e a China na região não tem um caráter antiamericano", concluiu.

    No entanto, Aleksandrov diz que Rússia recebe "de forma positiva" o aumento do papel da China no desenvolvimento da rota marítima do norte, que poderá ter Pequim como principal usuário.

    Mas e o Brasil com isso?

    O Brasil tem interesse nos desenvolvimentos da região do Ártico, principalmente no tocante à extração de recursos naturais e possíveis impactos no futuro desenvolvimento da Antártica.

    Ao contrário do Ártico, a Antártica é uma região desmilitarizada. Mas, no futuro, não está excluída a possibilidade de alguns Estados – como o Chile e a Argentina – virem a reivindicar territórios no polo sul. Caso isso ocorra, qualquer precedente utilizado na delimitação de fronteiras no Ártico pode vir a ser aplicado na Antártica.

    É bastante provável que a Antártica tenha reservas de hidrocarbonetos, principalmente nos mares de Weddell e Ross, aponta uma publicação do Centro de Estudos Geográficos. Portanto, o Brasil deve ficar atento ao regime de exploração de petróleo e gás no Ártico, que poderá ser emulado na Antártica.

    Funcionário de empresa russa de extração de hidrocarbonetos em plataforma de petróleo (foto de arquivo)
    © Sputnik / Aleksei Danichev
    Funcionário de empresa russa de extração de hidrocarbonetos em plataforma de petróleo (foto de arquivo)

    O Brasil está bem posicionado para explorar petróleo e gás em ambos os continentes gelados, uma vez que a tecnologia de extração desenvolvida pela Petrobras para a exploração em águas profundas é aplicável ao ecossistema do Ártico e da Antártica.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'A batalha começou': por que Rússia está instalando um 'guarda-chuva' antiaéreo no Ártico?
    Após querer comprar a ilha, Trump recebe diplomatas da Groenlândia para discutir presença no Ártico
    Reinauguração de base brasileira na Antártica é iniciativa científica e geopolítica, diz analista
    Tags:
    geopolítica, Brasil, EUA, China, Rússia, oceano Ártico, Ártico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar