15:08 23 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    5586
    Nos siga no

    Analista considera que Washington deve cooperar com seus aliados regionais para dissuadir a China de fornecer armamentos ao Irã.

    Após o recente ataque de drone que matou o general iraniano Qassem Soleimani, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse ao seu homólogo iraniano que ambos os países deveriam se opor conjuntamente ao "unilateralismo e intimidação".

    No entanto, Pequim limitou cuidadosamente seu apoio à modernização militar do Irã nos últimos quinze anos, afirma Joel Wuthnow em um artigo no National Interest. Um retorno aos anos dourados nas relações entre os dois países na década de 80 traria novos desafios aos Estados Unidos e seus aliados.

    Desde a Revolução iraniana de 1979, a estratégia chinesa em relação ao Irã tem flutuado com base em oportunidades externas, como interesses econômicos no setor de gás natural e petróleo, além do fornecimento de armas usadas na Guerra Irã–Iraque.

    Por que a China armaria o Irã?

    Conforme argumenta Wuthnow argumenta em seu artigo:

    "Ainda que o Irã tenha conseguido efetivamente produzir alguns itens, como drones, a Agência de Inteligência de Defesa considera que Teerã 'continua dependente de países como a Rússia e China para aquisição de capacidades convencionais avançadas'. Pequim poderia se beneficiar ao fornecer as armas convencionais em falta em diversas aéreas".

    Como fornecedor do Irã, a China teria de competir com a Rússia, que já negocia com o país persa contratos no valor de US$ 10 bilhões (R$ 41,7 bilhões). Contudo, a China poderia se aproveitar da baixa competição no mercado iraniano, uma vez que o embargo de exportações militares da União Europeia ao Irã só acaba em 2023, além de ter uma vantagem competitiva de preço.

    Drone chinês (foto de arquivo)
    © AFP 2019 / PHILIPPE LOPEZ
    Drone chinês (foto de arquivo)

    O gigante asiático poderia usar suas negociações com Teerã como moeda de troca para pressionar os Estados Unidos a diminuírem suas exportações militares a Taiwan, considerada uma província rebelde por Pequim, avalia Joel Wuthnow em seu artigo.

    As tensões entre Estados Unidos e Irã ganham cada vez mais as características de um cenário de competição geopolítica regional. Para evitar o avanço chinês, o autor da publicação considera que Washington deve criar uma coalizão com seus aliados regionais para dissuadir Pequim de fornecer armas ao governo iraniano.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Israel alega existência de carteira bitcoin do Hamas com envolvimento do Irã, reporta mídia
    Especialista sobre arsenal nuclear: China não está à altura de Rússia e EUA
    Redução militar dos EUA na África para confrontar Rússia e China 'preocupa' aliados de Trump
    Tags:
    exportações, Irã, armas, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar