14:57 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    1295
    Nos siga no

    Representantes da área de educação se reuniram em Brasília para traçar estratégias contra uma polêmica medida provisória do governo Bolsonaro que muda critérios para a escolha de reitores em instituições federais.

    Indignados com a MP 914/2019, publicada pelo presidente no final do ano passado, os membros do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) se reuniram ontem e hoje na capital federal para discutir meios de derrubar essa medida. 

    ​A nova MP, editada na véspera de Natal, estabelece que a palavra final sobre a nomeação de reitores em universidades federais será do chefe de Estado, que poderá não acatar o nome vencedor de uma lista tríplice de candidatos apresentada pela instituição, prática que já durava 15 anos.

    Tradicionalmente, o reitor é escolhido pelo corpo de professores das universidades, por meio de votação de lista tríplice. O mais votado dessa lista costuma ter seu nome sancionado pelo presidente, para um mandato de quatro anos. Mas, em 14 nomeações feitas em 2019, Jair Bolsonaro só escolheu o primeiro colocado nessa disputa para reitor em oito instituições. Nas outras seis, optou por candidatos menos votados, incluindo um que alcançou apenas 610 votos contra mais de 7 mil do primeiro colocado. 

    ​Além de ignorar a ordem da lista tríplice, a medida provisória que está sendo alvo de profundas críticas por parte da comunidade acadêmica estabelece peso de 70% para o voto de professores, 15% para o de estudantes e outros 15% para funcionários, acabando com uma recorrente prática de votação paritária. Outro ponto de debates diz respeito ao fim das eleições para diretores-gerais de campi, que passam a ser nomeados pelo reitor.

    Críticos à MP 914/2019 acusam a medida de ser antidemocrática, ferindo a lei de criação dos institutos federais (Lei nº 11.892/2008) e se sobrepondo à autonomia das instituições. 

    Ministro da Educação no governo Lula, ex-senador e ex-reitor da Universidade de Brasília, Cristovam Buarque diz dar todo seu apoio à mobilização encabeçada pelo Conif contra a medida provisória do governo Bolsonaro. Em entrevista à Sputnik Brasil, o político afirma que essa polêmica decisão do presidente pode interromper uma experiência que não deveria ser interrompida. 

    "É preciso lembrar que o que está em jogo não é o fato de eleger ou não um dirigente. Isso aí a gente pode ter mil maneiras de fazer. O que está em jogo é a autonomia do ensino superior, do ensino técnico, das instituições de ensino. O que está se ferindo não é a escolha do reitor, é a autonomia da instituição", disse ele. 

    Para Buarque, essa tão discutida autonomia é de vital importância para pensar a educação, a formação e o desenvolvimento científico e tecnológico no país. 

    "A tutela do poder público sobre as instituições de ensino... Essa tutela não leva a bom caminho."

    Mais do que representar uma queda de braço entre o governo e a comunidade acadêmica, o ex-senador acredita que a MP 914 representa uma "queda de braço entre o governo e o futuro", uma vez que essa disputa acabaria impedindo o pleno desenvolvimento das "forças intelectuais". 

    "Eu fico contente que a comunidade esteja reagindo. Eu só gostaria é que a comunidade refletisse também sobre qual é a melhor maneira de escolher os dirigentes. Não tenho a menor dúvida que quem deve escolher é a comunidade. Agora, como escolher, da melhor maneira, está faltando essa reflexão."

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Em meio a caos na Educação, professor da UFRJ critica falta de diálogo por parte do governo
    Educação no Brasil vive na era Bolsonaro um 'período de trevas', afirma especialista
    'Escola sem partido na USP é impossível', diz reitor da universidade
    Tags:
    entrevista, reitores, ensino superior, ensino, educação, Jair Bolsonaro, Cristovam Buarque, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar