23:46 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    410
    Nos siga no

    O especialista militar Giovanni de Briganti considera que Irã não abateu o voo PS752 de uma companhia da Ucrânia, e se o fez teria sido por acidente.

    Giovanni de Briganti, analista de defesa e editor-chefe do portal Defence-Aerospace.com, acredita que nesta fase é impossível confirmar se o avião ucraniano foi de fato abatido por mísseis de defesa antiaérea iranianos.

    "Ainda não vi nenhuma declaração oficial sobre isto, mas alguns relatos sugerem que o Boeing 737 ucraniano estava regressando a Teerã devido a um problema técnico, razão pela qual poderia ter sido confundido pelos iranianos como um atacante. A bateria de mísseis não teria necessariamente sido informada pela torre que a aeronave estava voltando para trás", sugere o analista de defesa.

    Briganti destaca que "erros acontecem", citando um incidente aéreo em que um cruzador da Marinha dos EUA, o USS Vincennes, abateu um avião comercial iraniano A300 em 1988, "que considerou erradamente como um avião ofensivo iraniano". Outro incidente igualmente controverso ocorreu em 1983, quando a URSS abateu um Boeing 747 da Korean Air Lines que se acreditava ser um avião espião dos EUA.

    "Há um medo generalizado de que aviões militares possam se camuflar sob um avião civil para lançar um ataque surpresa, especialmente em países que têm radares mais antigos, incapazes de uma resolução precisa do alvo, por isso as defesas antiaéreas tendem, em alguns países, a ter muita facilidade em premir o gatilho", presume ele.

    Algumas versões do sucedido

    O Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia está considerando quatro versões principais do que poderia ter acontecido, incluindo um ataque terrorista, avaria de motor, colisão com algum objeto voador partindo ao mesmo tempo do Aeroporto Internacional Imã Khomeini ou um ataque com míssil.

    Entretanto, um vídeo de 19 segundos surgiu na internet, subido pelo The New York Times na quinta-feira (9). O clipe apresenta uma pequena explosão no céu, que se diz ser um míssil iraniano atingindo o Boeing ucraniano.

    Por sua vez, o premiê canadense Justin Trudeau veio dizer que tinha informações de várias fontes que o jato ucraniano foi derrubado por um míssil iraniano. Em resposta às alegações de Trudeau, Teerã pediu ao Canadá e a qualquer outro governo para compartilhar informações com o comitê iraniano que está investigando o incidente aéreo.

    A investigação

    Segundo o Pentágono, aproximadamente às 22h30, hora de Greenwich (19h30, hora de Brasília) do dia 7 de janeiro, Teerã lançou mais de uma dúzia de mísseis de curto alcance contra posições norte-americanas no Iraque em retaliação ao ataque de um drone dos EUA que matou o chefe da Força Quds iraniana, Qassem Soleimani.

    O Departamento de Defesa sugeriu que foram disparados pelo menos 16 mísseis de um sistema de defesa antiaérea iraniano Tor-M1 9K331 (SA-15 Gauntlet na designação OTAN) contra as bases iraquianas de Ayn al-Asad e Arbil; cerca de 11 mísseis atingiram al-Asad e pelo menos um atingiu uma instalação militar perto de Arbil. Também se acredita que quatro mísseis iranianos se teriam quebrado em voo.

    Ali Abedzadeh, chefe da Organização da Aviação Civil do Irã, que rejeita veementemente a versão de um ataque acidental com mísseis, informou na quinta-feira (9) que especialistas iranianos e ucranianos estavam "baixando" dados das caixas pretas do jato para descobrir o que realmente aconteceu.

    Por sua vez, a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) exortou as partes envolvidas a "diminuir a especulação sobre as possíveis causas do acidente até que possa ser concluída a investigação segundo o Anexo 13 e seus resultados oficiais sejam confirmados".

    O incidente

    Na quarta-feira (8), o voo ucraniano PS752 da Boeing com destino a Kiev caiu perto do Aeroporto Internacional Imã Khomeini de Teerã pouco depois da decolagem, matando todas as 176 pessoas a bordo, incluindo 167 passageiros do Irã, Ucrânia, Canadá, Reino Unido, Alemanha e Suécia e nove membros da tripulação.

    A Agência de Investigação de Acidentes Aéreos do Irã iniciou a investigação do acidente, convidando especialistas de países cujos cidadãos morreram no acidente aéreo.

    Houve especulações de que o jato ucraniano poderia ter sido abatido por um míssil iraniano. Na quinta-feira (9), a agência Associated Press divulgou que o voo foi abatido "acidentalmente" durante o ataque de retaliação do Irã às bases iraquianas que abrigam tropas norte-americanas, citando dois altos responsáveis norte-americanos não identificados.

    O relato foi imediatamente criticado pelo chefe da aviação civil iraniana, Ali Abedzadeh, que o denunciou como "rumores ilógicos".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Irã publica primeiros resultados da investigação da queda do Boeing
    'Desenhado por palhaços e supervisionado por macacos': Boeing expõe mensagens internas sobre 737 MAX
    Irã anuncia que não entregará caixas-pretas de avião Boeing aos Estados Unidos
    Tags:
    Ucrânia, Boeing, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar