16:47 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    281
    Nos siga no

    O presidente turco disse que seu país talvez queira obter suas próprias armas nucleares. A sociedade turca demanda por um aumento da presença internacional do país. Tornar-se uma potência nuclear seria uma forma efetiva de se aproximar dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

    Segundo o Ministério da Energia da Turquia, o país tem reservas provadas de urânio de, ao menos, 9 mil toneladas. Isso é suficiente para 30-50 anos de autossuficiência em energia elétrica. Além do mais, a Turquia possui mais de 380 mil toneladas de tório, salienta o especialista em assuntos da Turquia Kiril Zharov em seu artigo para o Centro Carnegie de Moscou.

    Até 2018, o direito praticamente exclusivo de desenvolver os depósitos de urânio turcos pertencia à empresa norte-americana Westwater Resources e suas empresas afiliadas. Neste ano, as autoridades turcas revogaram repentinamente a licença da empresa, recuperando o controle total sobre as reservas.

    No campo da tecnologia, a situação também não é ruim. Em 1958, foi inaugurado o Centro de Capacitação e Investigação Cekmece em Istambul, onde foi lançado o primeiro reator nuclear turco de 1MW. O centro se dedicava à análise de radioisótopos, assim como à produção de isótopos para a medicina e o desenvolvimento de tecnologias atômicas.

    Em 2005, foi a vez de ser inaugurado em Ancara, capital do país, o centro de capacitação e investigação Saraykey, com aceleradores de elétrons e prótons. O centro também tem como objetivo a produção de isótopos para a medicina, física do plasma, fusão nuclear e a decomposição nuclear.

    Sinal que avisa sobre a zona de exclusão por contaminação radioativa
    Sinal que avisa sobre a zona de exclusão por contaminação radioativa

    Além do mais, em 2010, o centro de investigação Nuclear ANAEM abriu as portas também em Ancara. A Universidade Técnica de Istambul tem um reator de pesquisa e desenvolvimento TRIGA. Vários aceleradores compactos foram para empresas privadas na indústria médica.

    "Uma base de pesquisa tão desenvolvida converte a Turquia em um país líder em tecnologia nuclear no Oriente Médio", opina Zharov.

    Do reator à bomba

    Porém, tudo isso não significa que a Turquia possa converter facilmente estes avanços em poder bélico nuclear, argumenta o especialista. Segundo o seu ponto de vista, as palavras de Erdogan sobre armas nucleares se assemelham mais a um movimento retórico, parte do seu tema favorito de luta contra a injustiça mundial.

    O principal obstáculo é o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), assim como outros acordos firmados pela Turquia. O país não poderá obter um átomo militar sem revisar o tratado. Uma revisão ou retirada do acordo significaria enormes obstáculos para a Turquia, explica o analista russo.

    Caso decida abandonar o TNP, Ancara inevitavelmente enfrentará uma poderosa onda de sanções, pressão externa massiva e até mesmo o isolamento, não somente por parte dos Estados Unidos, mas também da Europa e de seus aliados atuais, como a Rússia.

    "Nenhum dos membros do clube nuclear necessita de novos jogadores em campo", observa Zharov.

    Ao mesmo tempo, a Turquia, ao contrário do Irã, não poderá suportar essa pressão durante muito tempo. O país está completamente integrado ao sistema político, econômico e logístico internacional.

    Apesar de alguns duros comentários de Erdogan, a posição oficial de Ancara permanece a mesma: a Turquia é contra armas nucleares na região e não planeja criar suas próprias. Finalmente, para além de obstáculos na política interna e externa, a Turquia também está distante das armas nucleares por dificuldades técnicas. Terá que construir centrifugadores para enriquecimento de urânio, desenvolver uma base de pesquisa, capacitar especialistas e aumentar a equipe acadêmica. Há duas opções para realizar essa tarefa: de forma oculta ou sob a supervisão da OIEA.

    "Desta forma, de um ponto de vista técnico e econômico, o programa nuclear requer que a Turquia faça enormes investimentos e obtenha conhecimento, porque é pouco provável que as potências nucleares queiram compartilhá-lo", conclui Zharov.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    ONU expressa 'profunda preocupação' com fim de moratória de testes nucleares norte-coreanos
    Marinha da Índia anuncia construção de 6 submarinos nucleares
    Novo submarino nuclear russo Novossibirsk porta armas 'formidáveis', diz especialista militar
    Tags:
    Recep Tayyip Erdogan, Turquia, arma nuclear
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar