10:20 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    A iluminação do Palácio de Itamaraty em comemoração de 100 dias até os Jogos Olímpicos do Rio

    Especialista: Brasil se excede e relações com Bolívia dependerão de quem assumir presidência

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Análise
    URL curta
    7162
    Nos siga no

    Segundo especialista, o comentário de Brasília comemorando a renúncia do presidente boliviano destoa da tradição diplomática do Itamaraty e pode custar caro, dependendo dos desdobramentos políticos no país vizinho.

    Para o diretor do curso de Relações Internacionais da UERJ e pesquisador do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), Paulo Velasco, os últimos acontecimentos na Bolívia fazem parte de uma "série de cenários dramáticos", que permitem "reconhecer a fragilidade da democracia" no continente sul-americano.

    "É bastante dramático, na medida que um presidente democraticamente eleito ainda no fim do seu mandato se vê obrigado a renunciar por sugestão, com muitas aspas, do comandante em chefe das forças armadas", declarou o especialista para a Sputnik Brasil.

    Por outro lado, considerando a polarização política na região, para Velasco "cada governo interpreta do modo como quer" a situação. Fazer uma leitura de um evento político em função dos próprios seria natural para o entrevistado. No entanto, quase se trata de declarações oficiais e da diplomacia, o tom do Itamaraty, historicamente, sempre foi de maior moderação, de modo a preservar parcerias estratégicas, independente da conjuntura ideológica e partidária.

    O Brasil é grande comprador de gás e outros produtos do país vizinho, e muitos acordos estão na iminência de renegociação. A reação do Brasil, de apoio patente à renúncia, certamente trará consequências para as relações, dependendo de quem for assumir a transição política na Bolívia, pontuou Velasco.

    "O Brasil poderia se posicionar de forma mais moderada. A nota do Itamaraty foi um pouco fora de tom, dando a entender que não havia democracia durante governo de Evo Morales, o que não é verdade", acrescentou o professor.

    "Vamos ver até que ponto o Brasil vai continuar mantendo posições que contrariam nossa tradição diplomática", ponderou o interlocutor da Sputnik Brasil, adicionando que o país "poderia deixar de lado as bravatas" e optar por um caminho mais pragmático.

    "Não podemos deixar paixões partidárias interferir com relacionamentos super estratégicos como com Bolívia, que é indispensável para aquisição de gás pelo Brasil", concluiu.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Forças Armadas são enviadas às ruas na Bolívia para conter protestos
    Trump chama renúncia de Evo Morales na Bolívia de 'momento significativo para a democracia'
    Parlamento do Mercosul emite declaração condenando 'golpe' na Bolívia
    Tags:
    análise, Brasil, Bolívia, golpe de Estado, Evo Morales
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar