15:14 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Militares turcos na fronteira turco-siria, 27 de abril de 2017 (foto de arquivo)

    Turquia vs. EUA: quem ganhará nas negociações sobre os curdos?

    © REUTERS / Kadir Celikcan
    Análise
    URL curta
    7131
    Nos siga no

    Enquanto a Turquia anunciou uma interrupção de 120 horas na sua operação Fonte de Paz, o cientista político Oytun Orhan comentou o processo de negociação entre os EUA e a Turquia em entrevista à Sputnik Mundo.

    Após encontro entre o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, Ancara anunciou um intervalo em suas ações militares em solo sírio.

    De acordo com o chanceler turco, Mevlut Cavusoglu, a pausa difere de um cessar-fogo.

    "Isto não é um cessar-fogo", publicou a fala de Cavusoglu o China Daily.

    Explicando a diferença de termos, Cavusoglu ressaltou que um cessar-fogo só pode ser negociado entre duas partes legítimas. Além disso, ele reafirmou o compromisso da Turquia em afastar forças curdas de uma zona de 32 km de profundidade no território da Síria a partir da fronteira com a Turquia.

    Comentando as negociações entre os EUA e a Turquia sobre a situação na Síria, Oytun Orhan, cientista político do Centro de Investigações Estratégicas do Oriente Médio (ORSAM), em Ancara, disse  em entrevista à Sputnik Mundo que a falta de compromisso de Washington em tornar a fronteira entre a Turquia e Síria mais segura resultou na operação turca.

    "As tentativas de Washington em atrasar a criação de uma zona de segurança fizeram com que a Turquia se atrevesse a realizar um passo decisivo, lançando a operação Fonte de Paz", afirmou Orhan.

    Ainda de acordo com o especialista, a entrega das armas pesadas pelas forças curdas e a retirada da região fronteiriça, algo pedido por Ancara nas negociações, poderia incentivar a Turquia a manter suas tropas na região na fase seguinte.

    Quem ganha nas negociações?

    Para o cientista político, esse cenário mostraria a derrota dos EUA no campo estratégico sírio, assim como de seus aliados, os curdos. Por outro lado, Rússia, Síria e Turquia sairiam ganhando, já que os EUA decidiram retirar as suas tropas.

    Além disso, com esta pausa, fruto das negociações com os EUA, as forças curdas podem recuar, dando plena vantagem à Turquia.

    "É claro que neste caso Ancara alcança seus objetivos sem usar métodos militares e escapando do risco de ser afetada pelas sanções norte-americanas", afirmou o especialista.

    Desta forma, a operação turca, muito criticada por outros atores no conflito sírio, resultaria em vantagens para a Turquia, tanto com a retirada dos americanos do norte da Síria como com a interrupção da operação, que poderá resultar em um enfraquecimento dos curdos.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'França faz jogo duplo na Síria', diz especialista
    Presidente francês Macron critica reação da OTAN à ofensiva turca no norte da Síria
    Manbij: a realidade da cidade síria ao receber apoio da Rússia
    Tags:
    negociações, Síria, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar