16:04 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Centro militar de pesquisa, na cidade síria de Barzeh, atingido por um míssil lançado durante o ataque dos EUA, Reino Unido e França em 13 de abril

    'França faz jogo duplo na Síria', diz especialista

    © Sputnik / Yazan Kalash
    Análise
    URL curta
    12210
    Nos siga no

    Em entrevista à Sputnik França, o presidente do Instituto de Perspectivas de Segurança na Europa, Emmanuel Dupuy, comentou a política francesa na Síria.

    Recentemente, o general francês Dominique Trinquand disse em entrevista que as forças francesas correm risco de cerco na Síria. As tropas de Paris teriam ficado em um beco sem saída após a saída de tropas americanas do norte sírio, o avanço das forças de Assad para a fronteira com a Turquia e a presença das forças de Ancara.

    Para melhor compreensão do assunto, a Sputnik França entrevistou o presidente do Instituto de Perspectivas de Segurança na Europa, Emmanuel Dupuy.

    Perguntado sobre os reais motivos de Paris manter a presença de Forças Especiais Francesas na Síria, Dupuy deixou claro que a França teria como objetivo central combater o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) e não impedir uma operação turca contra os curdos.

    Além disso, Dupuy disse que, com a retirada das forças americanas do norte do país árabe, as posições de outros membros da OTAN ficaram em uma situação difícil.

    "Eu tenho certeza que a França irá reposicionar suas tropas na Síria. Eu receio que devido à falta de suporte americano a França, tal como outros países com forças especiais, em particular a Alemanha, será forçada a realocar suas tropas", afirmou Dupuy.

    A razão seria evitar um conflito direto com as forças da Turquia, outro país membro da OTAN.

    Cooperação com a Rússia

    Recentemente, a embaixadora da França em Moscou, Sylvie Bermann, expressou esperança no poder de persuasão da Rússia sobre a Turquia para o fim da operação turca Fonte de Paz.

    Segundo Dupuy, isso seria um sinal claro da necessidade de maior cooperação entre os países europeus e a Rússia.

    "Eu vejo isso [a aproximação da França com a Rússia] como positivo. Isto confirma a necessidade de maior união de forças com a Rússia na criação de novos esquemas de segurança para a Europa", disse Dupuy.

    Desta forma, a inicial resistência dos países europeus em cooperarem com Moscou na solução da guerra civil síria está dando lugar à percepção da importância do papel russo no conflito.

    Além disso, a menor participação dos EUA no conflito e as vitórias das forças do presidente sírio, Bashar Assad, têm mudado o eixo de forças que até então eram mais pró-ocidentais.

    "Mas agora nós encaramos o fato de que aqueles que nós tivemos que apoiar na luta contra o Daesh não estão pedindo mais a nossa ajuda. Eles sabem que nós não podemos os defender. Eles pedem a ajuda de Bashar Assad, o qual nós inicialmente consideramos uma fonte de desestabilização do país", declarou Dupuy.

    'Jogo duplo'

    Se por um lado a França não obteve sucesso ao apoiar grupos anti-Assad, por outro ela necessita de maior cooperação com o maior aliado de Assad, a Rússia. Um paradoxo do qual Paris parece não ter saída, segundo o especialista.

    Além disso, a incursão turca na Síria demonstraria o "jogo duplo" de Paris no país árabe.

    Em março do ano passado, representantes curdos disseram que a França devia enviar tropas para defender o reduto curdo-sírio de Manbij. No entanto, não querendo sacrificar suas relações com Ancara, a França tem limitado sua ajuda aos curdos.

    "A França sempre fez um jogo duplo na Síria. Essa é a razão de sua política estar em uma completa contradição com a realidade estratégica agora", declarou Dupuy.

    Para o analista, a razão disto seria também a retirada das forças americanas do norte da Síria, o que mudou em muito o equilíbrio de forças no país árabe.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Cinco países teriam interesse em projeto de usina nuclear em Pernambuco, diz deputado
    Polícia francesa impede execução de ataque inspirado no 11 de Setembro
    Avião da Patrulha Francesa cai enquanto realiza manobra perigosa (FÓTO, VÍDEO)
    Tags:
    Guerra Civil Síria, Turquia, curdos, Síria, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar