01:02 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente chinês Xi Jinping com o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan

    Análise: China usará Paquistão para impedir que Índia se aproxime ainda mais dos EUA

    © AP Photo / Thomas Peter
    Análise
    URL curta
    5160
    Nos siga no

    Ninguém vai ajudar a Índia a retirar o Paquistão de consideração se Nova Deli não fizer por si só, segundo um analista do Instituto de Pesquisar e Análises de Defesa (IDSA, na sigla em inglês).

    Assim como a maioria dos grandes atores globais, a China também usou a sua proximidade com o Paquistão e a atual vantagem comercial sobre a Índia para impedir que Nova Deli se aproximasse dos EUA, afirmou o doutor Baru, que foi conselheiro do ex-primeiro-ministro indiano Manmohan Singh, para um jornal indiano nesta segunda-feira (14).

    "Respondendo às relações mais estreitas da Índia com os EUA, em um momento em que as relações EUA-China se deterioraram, a China desenvolveu uma estratégia de redução de riscos, reforçando a parceria com o Paquistão", afirmou o doutor Baru em artigo publicado no Indian Express.

    Sobre a balança comercial estar a favor da China, o analista ressaltou a segunda reunião informal do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi (depois de Wuhan em abril de 2018), com o presidente chinês Xi Jinping, na cidade turística de Mahabalipuram, no sul da Índia, e a decisão significativa de elevar o diálogo econômico bilateral.

    Interesses da China

    A opinião da Índia de que a China usou o regime de comércio multilateral para entrar no mercado indiano sem oferecer igualdade de acesso ao seu próprio mercado é parcialmente correta.

    Nova Deli pode procurar maneiras de exportar mais para Pequim e fazer correções de curso econômico internamente para garantir uma parceria mais igualitária, destacou o analista.

    "O Paquistão se oferece voluntariamente ao maior licitante [...] A prioridade da Índia na busca de boas relações com a China não é diferente do seu interesse em buscar boas relações com outras potências globais – para assegurar um ambiente global e regional propício ao desenvolvimento econômico da própria Índia", opina o doutor Baru.

    "Eu sempre insisti que a Índia busca o mesmo nível de engajamento com os EUA que a China já tem - dadas as relações de empresas para empresas e de pessoas para pessoas mais desenvolvidas dos EUA com a China", acrescentou.

    A Índia está consciente do seu "diferencial de poder crescente" em relação à China e, por conseguinte, está utilizando interações como Wuhan e Mahabalipuram para realizar o seu objetivo duradouro de ter uma "economia mais forte, mais produtiva e competitiva".

    O diálogo informal regular entre a Índia e a China pode contribuir em muito para eliminar o déficit de confiança existente e, nesse contexto, "a próxima década" é crucial para ambos, não obstante os choques nos laços bilaterais, concluiu o analista.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Impérios contra-atacam: Rússia, Índia e China abandonam o dólar
    Ministro inflama relações com o Paquistão: 'a Caxemira será toda da Índia'
    Paquistão se recusa a deixar jato de premiê indiano voar sobre o país
    Tags:
    aproximação, relações, Paquistão, EUA, China, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar