04:14 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Forças de paz da ONU mantêm suas bandeiras em pé ao lado das bandeiras do Hezbollah e do Líbano nos locais onde escavadores israelenses estão trabalhando.

    Israel mandou tropas brasileiras saírem do Líbano?

    © AP Photo / Hussein Malla
    Análise
    URL curta
    234048
    Nos siga no

    Os motivos da possível saída do Brasil do comando da força-tarefa marítima da missão de paz da ONU no Líbano são múltiplos. Qual seria o mais provável?

    Esta semana, a imprensa noticiou a possibilidade da saída do Brasil da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Unifil), deixando assim o comando da força-tarefa da missão de paz da ONU.

    O Brasil está no comando da força-tarefa marítima da Unifil desde 2011. O Líbano recebeu a missão de paz da ONU ainda em 1978, após a invasão do Israel do sul do país.

    Segundo a Folha, que citou fontes familiarizadas com o assunto em Brasília, a saída do Brasil da Unifil está certa, e é só uma questão de tempo. No entanto, os motivos da saída apresentados pelos diversos veículos da imprensa não parecem claros.

    Sputnik Brasil conversou sobre o tema com Ricardo Cabral, professor de Relações Internacionais e pesquisador da Escola de Guerra Naval, e ele refutou, quase imediatamente, a versão de que o pedido teria sido de Israel, citando uma nota da Marinha do Brasil que esclarece o caso.

    "A questão toda se coloca a partir de uma questão bem fundamentada, que é o reconhecimento por parte do Brasil, se alinhando à Argentina e ao Paraguai, do Hezbollah como um grupo terrorista. Ao fazer isso, o Brasil deixa de ser neutro na questão e por isso perde as condições de continuar participando da Unifil", explicou Ricardo Cabral.

    Para o professor, esse seria o único motivo possível para a medida. Ele acrescentou que certamente existem questões orçamentárias envolvidas também, mas estas não seriam suficientes para colocar fim à participação brasileira na missão.

    "Os cortes na defesa tem sido profundos", destacou ele, acrescentando que o custo da participação do país na Unifil já estava sendo questionado. No entanto, se fosse do interesse político, o orçamento seria acomodado.

    "A questão fundamental seria o Brasil relacionado ao reconhecimento [como] terrorista do Hamas e do Hezbollah", concluiu.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    EUA condenam empresário libanês a 5 anos de prisão por financiar o Hezbollah
    Hezbollah: Novas sanções ampliam ataque dos EUA ao Líbano
    Israel realiza manobras de grande escala simulando guerra no Líbano (Vídeo)
    Tags:
    Unifil, Líbano, israel, Hamas, Hezbollah
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar