17:00 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Água da torneira

    No ritmo atual, universalização do saneamento no Brasil só acontece depois de 2050

    CC BY-SA 2.0 / Chaquetadepollo / Sedientos todos
    Análise
    URL curta
    3132
    Nos siga no

    Especialista afirma que, seguindo o atual ritmo de investimentos, a universalização do saneamento básico no Brasil só acontecerá depois de 2050.

    Um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que 47,6% dos brasileiros ainda não possuem acesso a saneamento básico. O dado mostra que é praticamente impossível o país cumprir a meta de universalização do acesso a esse tipo de serviço até 2033, assumida em 2013.

    Apesar desse números, a questão ainda não aparece no centro da discussão política brasileira.

    Quais são os principais desafios para a universalização do saneamento básico no Brasil?

    Sputnik Brasil conversou sobre o tema com economista Pedro Scazufca, diretor da empresa Go Associados e pesquisador do Instituto Trata Brasil.

    ​O instituto realiza estudo com as 100 maiores cidades do Brasil, avaliando os principais indicadores da área, divulgados pelo Sistema Nacional de informações sobre Saneamento, base de dado federal.

    "Para ter uma noção, 40% da população do Brasil, 80 milhões de pessoas, vive nessas 100 maiores cidades", explicou o especialista, destacando a importância de realizar esse acompanhamento.

    O instituto comparou o quanto se arrecadou e o quanto se investiu no saneamento nas cidades nos últimos 5 anos e constatou que o país está bem atrás da meta.

    "O que ocorre é que estamos atrasados. Nós deveríamos investir 20 bilhões de reais por ano para alcançar essa universalização, e no último dado disponível, de 2017, investimos 10.9 bilhões", alertou Scazufca.

    "Provavelmente vamos atrasar pelo menos 20 anos para universalizar os serviços", acrescentou ele.

    Para o economista, a situação poderia ser alterada, mas três fatores precisariam mudar. Em primeiro lugar, o pesquisador destacou a importância de um bom planejamento, "com planos municipais que definam e acompanhem as metas". Em segundo, "uma boa gestão dos serviços", ou seja, as concessionárias que evitam vazamentos e fraudes. E, por último, seria necessário "fortalecer as agências reguladoras" do setor.

    A tarefa, apesar de árdua, não é impossível, pois "alguns municípios tem bons indicadores de saneamento", geralmente nos estados de São Paulo e do Paraná.

    "A universalização já chegou em alguns municípios", afirmou o entrevistado da Sputnik Brasil.

    Dessa forma os exemplos a serem seguidos já estão aqui. Agora só resta vontade política.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Brasil pode ter número recorde de praias com certificado internacional de qualidade de água
    Gestão x dessalinização: qual é o futuro do fornecimento de água no Brasil?
    Água: o que o Brasil tem a aprender sobre reúso?
    Dono de reservas grandiosas, Brasil sofre com falta de água
    Tags:
    especialista, análise, Brasil, saneamento
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar