09:49 18 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    'Balbúrdia é cortar dinheiro da educação': manifestantes no centro do Rio protestam contra cortes do governo, 30 de maio

    Atos contra corte na educação: estudantes foram motor das passeatas, diz especialista

    Sputnik/George Ribeiro
    Análise
    URL curta
    331

    Apesar das críticas do governo de que os estudantes estariam sendo coagidos pelos professores, especialista afirmou à Sputnik Brasil que os estudantes, ao contrário, seriam os maiores responsáveis pelos atos, contribuindo para a mobilização de outros setores.

    Pela segunda vez em 15 dias, estudantes, professores e trabalhadores saíram às ruas das cidades do país e no exterior para protestar contra o corte de verbas para o ensino e a pesquisa. O Ministério da Educação reagiu, tentando coibir o movimento, afirmando que nenhuma instituição pública de ensino "tem prerrogativa legal para incentivar movimentos político-partidários e promover a participação de alunos em manifestações". 

    Segundo o Ministério, professores, servidores, funcionários, alunos, pais e responsáveis não são autorizados "a divulgar e estimular protestos durante o horário escolar". Quais são os resultados imediatos ou futuros dos protestos dos estudantes? O volume das manifestações pode influenciar as decisões do governo Bolsonaro em relação às verbas destinadas à Educação? 

    Sputnik Brasil conversou sobre o tema com Marcelo Castañeda, cientista social e professor da UFRJ.

    Para ele, as manifestações superaram as expectativas, com boa adesão dos professores e uma "boa capilaridade entre diversos setores".

    Por outro lado, ele não acredita em resultados imediatos após os atos.

    "Acho que a sensibilidade do governo é nula, nesse momento", destacou.

    "Eu tenho dúvidas que esse governo seja sensível a uma demanda desse tipo, a não ser que a gente consiga estabelecer uma mobilização permanente", disse o especialista. No entanto, em função da área estar "sendo atacada em primeiro lugar" pelo atual governo, a mobilização seria possível, pois a área de educação é "muito organizada".

    Ele também criticou as declarações do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que classificou o protesto de "coação" dos alunos por parte dos professores. Para ele, os estudantes foram mais responsáveis pelos protestos, e os professores seguiram a deixa.

    "Eu acho que tem uma série de vetores de organização que vão muito além de uma estrutura verticalizada, na qual o mestre coage o discípulo a estar indo pra rua", explicou.

    "Como diriam alguns, a gente às vezes tem a dificuldade de um aluno entregar o trabalho no dia correto, quanto mais fazer ele levantar e ir para uma manifestação", acrescentou.

    "Os estudantes que estão conduzindo esses processos", concluiu, acrescentando a importância da participação dos sindicatos e da aderência da sociedade às pautas apresentadas que possibilitaram "atos marcantes".

    Ato contra os cortes do governo Bolsonaro tomaram as ruas do centro do Rio em 30 de maio
    © Sputnik / George Ribeiro
    Ato contra os cortes do governo Bolsonaro tomaram as ruas do centro do Rio em 30 de maio

    Para Pedro Gorki, presidente da UBES – União Brasileira de Estudantes Secundaristas, marcou a importância dos atos contra os cortes do governo e avaliou de forma positiva a amplitude da mobilização em todo o país.

    "Demos o recado que o estudante brasileiro não vai ficar calado, assistindo simplesmente a nossa educação ser cortada, nossas escolas sendo fechadas e o nosso sonho de Brasil ser jogado fora", declarou o interlocutor da Sputnik Brasil.

    Ele destacou a presença maciça de secundaristas nas manifestações que qualificou de "feita por jovens e para jovens".

    "As duas manifestações demonstraram que a educação é a pauta mais ampla que nós temos no nosso país", para além da dicotomia "direita e esquerda". Por isso, segundo ele, as ruas continuarão cheias até reverter os cortes na educação.

    Para ele isso já está acontecendo, pois o governo vem demonstrando incômodo com os protestos.

    "Achamos muito possível que isso aconteça", acrescentou.

    Ele lembrou que, no dia 14 de junho, mais atos estão marcados, no âmbito de uma greve geral no país, ampliando a pauta da educação para cortes em outros setores e contra a reforma da Previdência.

    Mais:

    Estudantes e trabalhadores voltam às ruas contra corte de verbas na educação
    Convocação a protestos em prol da Educação faz surgir contrarresposta de pró-governistas
    Entidades convocam nova manifestação pela educação e adiantam: vem greve geral por aí
    Subestimado no Brasil, inspirador em Portugal: como Paulo Freire avança educação lusófona
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar