16:05 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Veículos militares chineses transportam mísseis para ataques convencionais e nucleares durante um desfile militar na China

    Condições insultuosas: por que Pequim rejeita negociar tratado nuclear com EUA e Rússia?

    © AP Photo / Zha Chunming/Xinhua
    Análise
    URL curta
    11276
    Nos siga no

    A China considera provavelmente a oferta dos EUA de se juntar às negociações de controle de armamentos com Washington e Moscou como potencialmente insultantes, se não mesmo ilusórias, devido ao desequilíbrio nos arsenais atuais, disseram analistas à Sputnik Internacional.

    Na semana passada, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse aos jornalistas após uma conversa telefônica com o presidente russo, Vladimir Putin, que logo iniciaria conversações bilaterais com Moscou sobre um novo acordo de controle de armas nucleares que poderia incluir a China.

    Na segunda-feira (6), a chancelaria chinesa, por sua vez, rejeitou a sugestão de que a China estaria participando de discussões com a Rússia e os EUA sobre a limitação de armas nucleares, dizendo que não tem intenção de "participar de qualquer negociação trilateral".

    Karen Kwiatkowski, ex-analista do Pentágono, expressou à Sputnik Internacional sua opinião que a maneira como foi apresentado o chamado convite para as negociações pode ter algo a ver com a reação de Pequim.

    "A resposta dos chineses soa como se eles se sentissem insultados, apontando que a China se comporta e espera que as grandes potências com armas nucleares se comportem com moderação", disse Kwiatkowski.

    Kwiatkowski disse que a resposta da China parece altamente estilizada e quase ritualística.

    "Foi uma espécie de resposta falsa a um convite falso. Levando em conta que os Estados não têm emoções […] Trump provavelmente terá intencionalmente e/ou estilisticamente insultado Xi Jinping em questões do comércio e práticas trabalhistas chinesas, proezas militares, agendas expansionistas na região [e] a Coreia do Norte", disse ela.

    O convite mais recente surgiu como se uma potência superior estivesse convocando uma potência inferior – um papel que a China não reconheceu e não estava preparada para desempenhar perante Washington, explicou Kwiatkowski.

    EUA e Rússia devem garantir segurança nuclear mundial, diz embaixador russo

    Segundo a analista, os políticos americanos precisavam abandonar seus esforços para colocar e manter a China em um papel de subserviência e retornar a políticas comerciais mais abertas.

    O próprio sistema chinês está agora em grande risco financeiro e econômico porque suas políticas domésticas eram insustentáveis e desperdiçadoras, comentou Kwiatkowski.

    "Para fazer isso funcionar, Trump precisaria mostrar algum respeito público pelo papel da China no mundo, e talvez deixá-los conduzir uma dança de vez em quando", disse ela.

    O analista Dan Lazare está de acordo com Kwiatkowski que a China estava agindo de forma direta e foi sincera em sua decisão de não querer se juntar às negociações nucleares propostas pelos EUA.

    "Não vejo razão para que a declaração do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, não seja aceita como sincera", disse Lazare à Sputnik.

    A China também tem poucas razões para participar das negociações devido à enorme disparidade entre seu arsenal nuclear e os dos EUA e da Rússia, sublinhou Lazare.

    Lazare destacou que a China tem 280 ogivas nucleares, apenas 2% do total russo-americano.

    "Então as negociações trilaterais com a China não fazem mais sentido do que negociações com a França (que tem 300 ogivas nucleares), o Reino Unido (que tem 215), o Paquistão (145) ou a Índia (135)", sublinhou o analista.

    Depois de uma conversa telefônica com Vladimir Putin, Trump disse a repórteres que ambos os líderes falaram sobre a possibilidade de um novo acordo nuclear para "muito em breve" e que a China poderia ser acrescentada posteriormente.

    Em janeiro de 2019, o governo de Trump anunciou que os EUA estavam oficialmente se retirando do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), alegando que a Rússia havia violado os termos do acordo de 1987. Abordando o assunto durante seu discurso sobre o Estado da União, Trump ressaltou que a Rússia "violou repetidamente" os termos do tratado, uma alegação que a Rússia rejeitou.

    Após o anúncio da saída, o fiscalizador de resíduos radioativos da Beyond Nuclear, Kevin Kamps, disse à Sputnik que se o novo tratado START "também desaparecer, poderemos ver uma corrida armamentista entre todos esses países".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tags:
    EUA, Rússia, acordo nuclear, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar