14:34 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Porta-aviões norte-americano Harry S. Truman (foto de arquivo)

    Análise: porta-aviões dos EUA eram um importante meio político, mas não no século XXI

    © AP Photo / Especialista em comunicação de 3ª classe J. M. Tolbert
    Análise
    URL curta
    6260

    O analista militar russo Vladimir Bogatyrev comenta a opinião expressa pelo jornalista alemão do Frankfurter Allgemeine sobre o envio de um porta-aviões norte-americano à costa do Irã.

    Lorenz Hemicker, jornalista do jornal Frankfurter Allgemeine, põe em dúvida a capacidade dos Estados Unidos de projetar poder usando o porta-aviões que Washington decidiu enviar para a costa do Irã. 

    Essa publicação prova que as contradições entre os EUA e a União Europeia estão aumentando, opina o analista militar Vladimir Bogatyrev, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik. 

    O artigo do jornalista alemão, que chamou o porta-aviões dos EUA de "blefe de cem mil toneladas", mostra que as mídias europeias entendem que a moderna política exterior estadunidense de demonstração de força não funciona no século XXI, diz Vladimir Bogatyrev. 

    Anteriormente, "os porta-aviões dos EUA eram um meio importante para influenciar a situação" em certos países. Entretanto, a moderna infraestrutura militar acaba por os neutralizar, considera ele. 

    "Vale destacar que há crescentes contradições entre a UE os EUA quanto às relações com o Irã e às últimas ações dos EUA para se retirarem dos acordos sobre o programa nuclear do Irã", sublinha Vladimir Bogatyrev. 

    Segundo ele, existem problemas não só relativamente à solução das questões mundiais, mas também regionais, por exemplo, no Oriente Médio e na Ásia Central, problemas que os EUA e a UE não são capazes de resolver em conjunto. 

    "O último agravamento das relações EUA-Irã aconteceu quando Washington classificou o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica [IRGC, na sigla em inglês] como organização terrorista", recordou o analista militar. 

    "Teerã em resposta designou igualmente o Comando Central dos Estados Unidos [Centcom, na sigla em inglês] como organização terrorista e os EUA como país patrocinador do terrorismo", acrescentou o analista militar Vladimir Bogatyrev.

    Mais:

    WSJ: Irã planeja ofensiva contra forças dos EUA no Oriente Médio
    Ministro venezuelano revela como o Irã ajuda Caracas a superar sanções dos EUA
    Especialista revela como Irã pode se proteger de porta-aviões americanos
    Tags:
    Comando Central dos EUA, Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, Irã, EUA, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar