13:28 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Tanques de combate de Abrams

    'Nada os detém': analista comenta liderança dos EUA no 'top 5' dos gastadores militares

    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Análise
    URL curta
    12241

    É a primeira vez desde 2006 que a Rússia não entra no “top-5” dos países com as maiores despesas militares. No entanto, isso não afeta o curso da guerra de informação contra Moscou, disse o analista militar Andrei Koshkin à rádio Sputnik.

    Recentemente, o SIPRI publicou a informação de que a Rússia diminuiu os seus gastos em defesa e atualmente ocupa a sexta posição no ranking mundial. Os países que mais gastam com as forças armadas são os EUA, China, Arábia Saudita, Índia e França, que em conjunto representam 60% das despesas militares mundiais. 

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar russo Andrei Koshkin, chefe da cátedra de Estudos Políticos e Sociais da Universidade Russa de Economia, expressou sua opinião quanto à situação.

    A Rússia não lidera no ranking de despesas militares, mas ninguém quer saber disso, a guerra de informação continua, afirma o especialista militar. 

    "É preciso ter em conta a guerra híbrida de informação que hoje em dia é travada contra a Rússia. Eles [os EUA e a OTAN] nem sequer pensam em argumentos", disse o analista e acrescentou que objetivo principal deles é obter mais dinheiros dos contribuintes para a defesa. 

    Segundo ele, ninguém se surpreende por os EUA serem o país que mais gasta com a defesa. 

    "Os americanos se consideram a si próprios a norma do direito internacional e nem sequer ouvem as recomendações de ninguém. Nada os detém", afirmou o especialista. 

    A nova corrida armamentista traz muitos benefícios para os EUA e, para a promover, eles fazem tudo, principalmente na mídia, opina Andrei Koshkin. 

    "Depois, as receitas vêm do surgimento de novos confrontos militares no planeta, onde, certamente há americanos que ganham dinheiro com isso", conclui Andrei Koshkin.

    Mais:

    Há ameaça mais perigosa e terrível do que arma nuclear, avisa analista
    'Palavras são nobres, fins são outros': analista sobre vontade dos EUA de criar novo acordo nuclear
    Analista: Trump pode reconhecer Cisjordânia como parte de Israel
    Tags:
    Defesa, orçamento militar, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar