20:11 18 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes nas ruas de Madri apoiando o presidente legítimo da Venezuela, Nicolás Maduro

    Análise: Bolton persiste em estratégia falha para mudar poder na Venezuela

    © Sputnik / Alejandro Martinez Velez
    Análise
    URL curta
    17240

    Recentemente, o assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, afirmou que qualquer tentativa de prevenir o retorno seguro do presidente interino autoproclamado, Juan Guaidó, à Venezuela, encontraria uma resposta forte e significante por parte dos EUA.

    Perante esta situação, a Sputnik Internacional discutiu o assunto com o professor de ciências políticas do Instituto de Estudos Políticos de Paris, Temir Porras Ponceleón, que trabalhou como vice-ministro das Relações Exteriores da Venezuela, conselheiro político de Hugo Chávez e chefe de Gabinete do presidente Nicolás Maduro.

    Sobre a ameaça do assessor de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, em referência ao retorno de Guaidó, Temir Porras Ponceleón afirmou que, em primeiro lugar, John Bolton baseou o plano nas crescentes tensões entre a oposição, representada por Guaidó e o governo de Nicolás Maduro.

    Sendo assim, a estratégia dos EUA na Venezuela de gerar uma mudança de regime é baseada em uma hipótese extremamente fraca.

    De acordo com o cientista político, Bolton está insistindo na mesma estratégia mostrada anteriormente e que foi ineficaz no país, o que deixa claro que não há outro caminho além de uma negociação política, acordo ou resolução, que vai gerar o fim da crise, fazendo com que o país retorne às atividades normais. Entretanto, Bolton, pretende manter uma estratégia que tem falhado durante os últimos meses.

    Perante as consequências que a autoproclamação de Juan Guaidó poderia causar ao país, o professor comentou que a divisão entre os países que apoiam Guaidó e aqueles que apoiam o presidente Maduro está criando problemas para a Venezuela. Um dos problemas são as crescentes sanções impostas pelos EUA, o que fez com que as condições de vida em Caracas e em todo país se tornassem ainda mais difícil para a população.

    Além disso, ele enfatiza que uma crise humanitária pode ser gerada, mas isso seria em decorrência das sanções impostas pelos EUA.

    Já a outra consequência estaria ligada à comunidade internacional, a acordos com investidores internacionais e a flutuações financeiras que fazem com que a economia venezuelana funcione, onde o país pagaria o déficit.

    Sobre a permanência de Maduro no poder do país, o professor afirma que a Venezuela é como qualquer outra sociedade e, por isso, há uma diversidade de opiniões. Um exemplo disso foi nos tempo do presidente Hugo Chávez, que tinha o apoio da classe baixa, enquanto que as classes média e alta eram contra Hugo Chávez.

    Isso é algo que não muda rapidamente, mesmo que o país esteja passando por um momento difícil economicamente, há o senso de referência e lealdade.

    Ou seja, as pessoas dos setores mais pobres da sociedade obtiveram acesso a diversos direitos que melhoraram seus padrões de vida, e, por isso, as pessoas novamente estão conscientes disso, e Maduro também se beneficia disso, já que ele tem o apoio e a lealdade da classe baixa do país, mantendo ele no poder até o momento.

    Mais:

    Guaidó afirma que retornará à Venezuela após visita ao Equador
    EUA buscam formar coalizão para derrubar governo da Venezuela, diz Bolton
    EUA armam 'exército de libertação' na Colômbia para invadir Venezuela, diz enviado na ONU
    Tags:
    regime, plano, estratégia, invasão, governo, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar