17:43 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Combatente das Forças Democráticas da Síria (SDF) na cidade síria destruída de Raqqa, em 16 de outubro de 2017

    Por que é tão difícil acabar completamente com o Daesh na Síria?

    © AFP 2019 / Bulent Kilic
    Análise
    URL curta
    440

    Bombardeios frequentes, incessante fogo de artilharia e reservas esgotadas não deixam nenhuma esperança para os terroristas de realizarem seu ambicioso projeto de erguer um califado na Síria, mas a guerra ainda está longe de acabar.

    Apoiadas pela coligação internacional, as Forças Democráticas da Síria (SDF, na sigla em inglês) continuam atacando o último baluarte do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em vários países) na Síria: o povoado de Baguz.

    Essa localidade tinha antes da guerra uma população de cerca de 10.000 pessoas e serviu durante muitos anos de ponto de passagem para terroristas que vinham de outros países para o território sírio. Em fevereiro foi completamente cercada pelas forças curdas.

    Durante uma entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o jornalista russo Andrei Kots explica em seu artigo por que a vitória total sobre os terroristas está demorando tanto tempo na Síria.

    Atualmente, restam cerca de 2.000 pessoas em Baguz, sendo que metade dessa população é constituída por terroristas fanáticos, que estão prontos para lutar até ao último homem, declarou o colunista.

    "É improvável que eles sejam capazes de resistir contando apenas com sua ideologia. Na Internet há bastantes fotos [mostrando] que a última cidade do Daesh se parece mais com um campo de refugiados semiabandonado", escreve o autor.

    Segundo Kots, os terroristas têm problemas com o fornecimento de alimentos, munições e água potável, uma vez que os atiradores curdos mantêm a margem do Eufrates sob fogo.

    "O ataque a Baguz é complicado pelo fato de os terroristas terem criado debaixo do povoado uma rede de abrigos e túneis subterrâneos. Eles os usam para transportar reforços, permanecendo invisíveis para a vigilância aérea", afirmou, adicionando que a queda de Baguz não necessariamente significará a completa derrota do grupo terrorista no território sírio.

    O jornal Al-Masdar News reportou que entre 1.500 e 3.000 terroristas permanecem ativos na região síria de Badiyat al-Sham.

    "Eles têm equipamento militar suficiente para invadir a cidade e capturar alimentos, remédios e reféns […] É necessário libertar grandes forças sírias para a sua aniquilação, o que por agora Damasco é incapaz de fazer", enfatiza Kots, comentando que a luta contra essas unidades fica ainda mais difícil pelo fato de elas operarem à noite, enquanto durante o dia se escondem nos túneis.

    Milícias "adormecidas" do Daesh ainda se encontram nas regiões orientais da Síria e poderão a qualquer momento começar a reconquistar os territórios libertados pelos curdos, conclui o jornalista.

    Mais:

    Cantada do Daesh: militar dos EUA diz ser agente da CIA para conquistar mulher
    Hezbollah diz que Trump é 'hipócrita' sobre papel dos EUA na luta contra o Daesh
    Daesh tem até US$ 300 milhões para se manter ações terroristas, diz oficial da ONU
    Tags:
    túneis secretos, militantes, grupo terrorista, Forças Democráticas da Síria, Daesh, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar