09:05 03 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    13373
    Nos siga no

    No dia 23 de janeiro, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se autoproclamou como presidente interino da Venezuela. Entretanto, passadas três semanas, o poder real no país permanece nas mãos de Nicolás Maduro.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o vice-diretor do Instituto da América Latina da Academia de Ciências da Rússia, Boris Martynov, comentou por que o líder da oposição venezuelana dificilmente poderia conseguir o reconhecimento da maioria do país.

    "Por enquanto, o tempo beneficia Maduro. Os golpes de Estado deste tipo ou são organizados logo da primeira vez, e são bem-sucedidos, caso todos se envolvam com todas as forças disponíveis, senão, eles gradualmente vão se reduzindo a nada", afirmou o analista.

    Martynov frisou que Guaidó falhou em atrair para o seu lado uma força tão importante como o exército da Venezuela.

    "Durante a primeira semana, em primeiro lugar [Juan Guaidó] não conseguiu atrair o exército. Pois na América Latina o exército é uma força particular, com seu papel particular", disse.

    Segundo o analista, independentemente de como se encare Maduro e sua política econômica, ele é o presidente legítimo, enquanto Guaidó levou a cabo uma "tentativa descarada de golpe de Estado".

    O especialista analisou as opções que o governo de Nicolás Maduro tem sobre a mesa para lidar com a crise no país.

    "Acredito que não tem como evitar as eleições. [Nicolás] Maduro já sugeriu a realização de eleições parlamentares, o que no momento seria a melhor opção [para saída da crise]. Além disso, é provável que não tenha como evitar as eleições presidenciais também. Não em breve, já que Maduro também não pode 'perder a face', não pode ceder tudo de uma vez. A opção ideal seria realizar as eleições parlamentares agora e depois de um ano – as presidenciais", ressaltou Boris Martynov.

    Depois de se autoproclamar como chefe de Estado interino, Juan Guaidó foi apoiado pelo governo dos Estados Unidos e também pelo Brasil, Argentina e Colômbia, entre outros países. Já Maduro, reeleito em 2018, é considerado o presidente legítimo da Venezuela por tais países como a Rússia, Turquia, México, Uruguai e China.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Colômbia declara estado de calamidade pública na fronteira da Venezuela
    Analista americano sugere repetir cenário da Crise dos Mísseis de Cuba na Venezuela
    EUA não aumentaram presença militar na fronteira com a Venezuela, diz Abrams
    Tags:
    golpe de Estado, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar