22:51 24 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Gasoduto russo

    Especialista: pressão dos EUA contra Nord Stream 2 e Rússia na Europa é inútil

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Análise
    URL curta
    13361

    No início de janeiro, as empresas europeias que participam do projeto Nord Stream 2, cujo objetivo é construir uma nova rota para o gás russo sem passar pela Ucrânia, receberam cartas ameaçadoras do embaixador dos EUA na Alemanha, Richard Grenell. Sputnik conversou sobre o assunto com Patrick Basham, diretor fundador do Democracy Institute.

    De acordo com Patrick Basham, o gasoduto concorreria com o gás natural liquefeito (GNL) norte-americano pelo mercado europeu.

    "A oposição dos EUA ao projeto baseia-se em sua preocupação de que um projeto bem sucedido dê à Rússia uma grande influência econômica sobre a Europa, especialmente a Alemanha, e que essa influência econômica, em algum momento, será também política. América teme que, em hipotética disputa futura entre os EUA e a Rússia, seria mais difícil para os alemães apoiarem os interesses americanos", disse ele à Sputnik nesta quinta-feira.

    O especialista observou que as ameaças dos EUA sobre sanções são sérias, mas que essas medidas não teriam um impacto tangível, esperado por Washington.

    "Eu não acho que será realmente efetivo. Se estivéssemos falando de um projeto hipotético que sairia da fase de projeto em cinco ou dez anos, então talvez a crítica americana pudesse ser um pouco eficaz. Mas nós estamos falando de um projeto em andamento, estamos falando de um projeto da iniciativa privada. Existe algum apoio europeu à posição norte-americana e, obviamente, há também uma forte oposição europeia à posição americana", acrescentou Basham.

    Ele também afirmou que as sanções estão "definitivamente sobre a mesa", já que Washington estaria "feliz em usar" as restrições contra a Rússia. Ainda mais quando esse tema é um dos poucos a gozar de um apoio bipartidário nos EUA no momento.

    "Eu acho que as sanções estão certamente sobre a mesa. Podem ser adotadas e, como é geralmente o caso, e o relacionamento com a Rússia vem sendo um bom exemplo, elas são geralmente ineficazes e contraproducentes. Eu imagino que seria o caso aqui também ", concluiu Basham.

    O Nord Stream 2 é uma joint venture entre a russa Gazprom e quatro empresas européias. Além da austríaca OMV AG, conta com a participação da France Engie (França), Royal Dutch Shell (Reino Unido e Alemanha), Uniper e Wintershall (Alemanha).

    O projeto deverá ser concluído antes do final de 2019 e prevê a construção de dois gasodutos com início na Rússia, passando pelo Mar Báltico e por um hub na Alemanha, sem passar pelo território da Ucrânia, que se opõe à construção da rota. Polônia e EUA também se manifestam contra o projeto.

    Washington se manifestou contra o Nord Stream em diversas ocasiões, alegando que o projeto aumentaria a dependência da Europa ao gás russo. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, por sua vez, disse que Donald Trump só está defendendo os interesses das empresas norte-americanas que querem vender GNL mais caro para a Europa.

    Mais:

    Oficial sênior: Governo alemão não tem premissa legal para interferir no Nord Stream 2
    Suécia dá largada para construção do Nord Stream 2
    Ex-chanceler alemão explica verdadeira razão por que EUA criticam o Nord Stream 2
    Departamento de Estado: Empresas envolvidas no Nord Stream 2 podem sofrer sanções dos EUA
    Ministro das Relações Exteriores alemão insiste em Nord Stream 2 após incidente em Kerch
    Guerra pode eclodir após lançamento do gasoduto Nord Stream 2, afirma premiê polonês
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar