07:18 21 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Destróier de mísseis norte-americano USS Donald Cook da classe Arleigh Burke (foto de arquivo)

    Por que Marinha estadunidense envia seus navios ao mar Negro?

    CC0 / Fotos da Marinha dos EUA
    Análise
    URL curta
    352

    O destróier estadunidense USS Donald Cook atravessou o estreito de Bósforo e entrou no mar Negro. Analistas revelam qual pode ser o objetivo dos EUA ao enviar seus navios a essas águas.

    Imediatamente depois que o destróier americano atravessou o Bósforo, o navio de patrulha russo Pytlivy começou a monitorar suas ações. Além disso, na zona de controle da Frota do Mar Negro, o USS Donald Cook será vigiado por meios eletrônicos e técnicos. Se for necessário, o destróier será monitorado por aviões e drones.

    A anterior visita de navios da Marinha dos EUA ao mar Negro ocorreu em julho de 2018. Nessa ocasião, o USS Mount Whitney, navio de comando da Sexta Frota, e o destróier USS Porter passaram mais de dez dias nessas águas, no âmbito das manobras Sea Breeze 2018.

    Em agosto, o destróier USS Carney realizou uma breve visita ao mar Negro. Um pouco mais tarde, o navio de desembarque Carson City se juntou a ele. Ambos os navios estiveram apenas alguns dias no mar Negro.

    O velho Donald

    O navio USS Donald Cook exibe a bandeira americana perto da costa russa com tanta frequência que os marinheiros das Frotas do Mar Negro e do Mar Báltico costumam chamá-lo de "velho amigo". Em particular, o destróier estava no mar Negro no início de 2014, durante os eventos que ocorreram na Crimeia.

    Naquela época, um avião Su-24 russo realizou manobras durante quase uma hora e meia perto do destróier, a uma altitude de cerca de 150 metros. O Pentágono se queixou das ações "provocativas" dos pilotos russos. Um incidente semelhante ocorreu em 2016, no mar Báltico.

    Segundo a edição russa Izvestia, os especialistas concordam que, do ponto de vista militar, o navio dos EUA não representa ameaça e que suas manobras perto da Rússia devem ser consideradas do ponto de vista político.

    "É uma tentativa de mostrar que os americanos também têm influência na região apoiando o governo de Poroshenko [Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia]", disse o primeiro vice-presidente do Comitê Internacional do Senado russo, Vladimir Dzhabarov.

    O senador considerou que a mera ação de monitorar o destróier dos EUA a partir do navio-patrulha da Frota do Mar Negro já é uma resposta suficiente à presença do USS Donald Cook.

    Navios de guerra da Marinha do Irã
    © AP Photo / Agência de Notícias Fars, Mahdi Marizad
    Se até há pouco os navios estadunidenses entravam no mar Negro apenas esporadicamente, tudo mudou após o incidente de Kerch, quando três navios da Marinha ucraniana entraram em águas territoriais russas, violando o direito internacional, e foram detidos pelas autoridades russas por não responderem às exigências legais, disse o especialista militar Anton Lavrov. 

    Além disso, os aviões de reconhecimento e drones pesados dos EUA também estão constantemente voando ao longo da costa da Crimeia e da costa da Rússia continental na região.

    "Agora os EUA estão tentando manter uma presença permanente no mar Negro, de modo a que pelo menos um navio esteja sempre lá. Vamos ver quanto tempo eles conseguem manter essa presença constante, afinal, esta é uma área distante para os EUA", ele afirmou.

    Eles vêm e vão

    De acordo com a Convenção de Montreux sobre o Regime dos Estreitos, os navios de países não ribeirinhos do mar Negro têm o direito de permanecer lá por um máximo de 21 dias, lembrou o historiador naval Dmitry Boltenkov.

    Além disso, o especialista sublinhou que os navios norte-americanos no mar Negro não representam uma ameaça à Rússia, embora sua presença tenha se tornado cada vez mais frequente. Os navios da Frota do Mar Negro controlam todos os seus movimentos, disse Boltenkov.

    Segundo o especialista, é improvável que os americanos possam garantir uma presença constante de seus navios no mar Negro por um longo tempo.

    "Um navio de guerra moderno depende muito da infraestrutura costeira. A Roménia e a Bulgária não podem fornecê-la aos americanos. Sobre a Ucrânia, nem vou comentar. Quanto à Turquia, duvido que permita aos EUA usar suas bases, porque suas relações não são as melhores atualmente", explicou Boltenkov.

    O analista militar Vladislav Shuryguin, por sua vez, não exclui que a Ucrânia use a presença dos EUA como cobertura e realize outra provocação.

    "As visitas anteriores dos navios estadunidenses não foram coordenadas com as forças ucranianas. Entretanto, Kiev pode tentar realizar sua operação de forma independente, sem informar o Pentágono. Mas, é claro, os líderes militares russos estão prontos para tal cenário", concluiu o analista.

    Mais:

    Ataque aéreo dos EUA na Somália mata mais de 50 combatentes do Al-Shabab
    EUA e Coreia do Norte têm primeira reunião 'produtiva'
    Saída dos EUA do Tratado INF põe em risco acordo de não proliferação, diz chanceler russo
    Tags:
    Marinha, destróier, USS Carney, mar Negro, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar