14:41 20 Março 2019
Ouvir Rádio
    Água da torneira

    Especialistas: parceria com Israel para dessalinização de água no Brasil não é má ideia

    CC BY-SA 2.0 / Chaquetadepollo / Sedientos todos
    Análise
    URL curta
    343115

    Projeto de Bolsonaro de dessalinização de água no Nordeste foi um dos temas mais discutidos na última semana. Será que o político cometeu mais uma gafe, ou as suas intenções de buscar parceria com Israel na área fazem sentido? Conversamos com especialistas para entender melhor a situação.

    Em uma mensagem no Twitter, no dia 25 de dezembro, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou que o futuro ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, buscará uma parceria com Israel na área de dessalinização de água salobra.

    ​Por que Bolsonaro busca parceria com Israel pra dessalinizar água no Nordeste, quando já existem programas e tecnologias nacionais, há mais de duas décadas, realizando um bom trabalho no Brasil? Essa foi a pergunta feita pela imprensa nos últimos dias.

    Talvez em virtude do recesso de fim de ano, a maioria dos textos eram de colunistas ou de caráter editorial.  

    No entanto, neste agitado final de dezembro, ao finalmente conseguir encontrar e conversar com especialistas da área, envolvidos diretamente em programas federais ou regionais de dessalinização, verificamos, às vezes com ressalvas, uma recepção positiva da mensagem do futuro governo. 

    A dessalinização é o processo de remoção dos sais dissolvidos na água do mar ou nas águas salobras subterrâneas, produzindo água doce, para ser utilizada, principalmente, no consumo humano ou em aplicações industriais. 

    No Semiárido nordestino, a água subterrânea disponível para muitas comunidades é salobra, inadequada para o consumo humano.

    Por isso, desde o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o Governo Federal desenvolve programas na região para ampliar o acesso aos recursos hídricos. Na época, foi criado o Programa Água Boa.

    Durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o programa foi ampliado e recebeu o nome de Programa Água Doce.  

    Kepler Borges França, Professor Titular e pesquisador do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), fundou e coordena os Laboratórios de Referência em Dessalinização (LABDES) e de Membranas Cerâmicas (LABCEM), ambos da UFCG e trabalha há mais de 25 anos em projetos de dessalinização no nordeste e no norte do país.

    Professor Kepler foi coordenador do programa Água Boa, ainda no governo de FHC, e depois coordenou o programa Água Doce, durante o governo de Lula, e comentou a situação na área para Sputnik Brasil.

    "Mais de 85% das águas subterrâneas no nordeste são salobras. Por conta da composição geoquímica do solo, que é composta por rochas cristalinas. O processo de dessalinização por membranas é um dos caminhos mais fáceis de se obter água potável e abastecer as comunidades difusas que precisam de água", explicou ele.

    Segundo o interlocutor da Sputnik Brasil, seu laboratório também desenvolveu o sistema implementado no arquipélago de Fernando de Noronha, onde a água do mar é dessalinizada há quase duas décadas. Ou seja, a tecnologia já existe sim mas, para ele, ainda seria necessário buscar mais planejamento.

    "O que sinto na pele é uma falta de planejamento para que os programas funcionem de uma forma mais permanente", destacou o especialista.

    E a permanência dos programas tem tudo para virar uma pauta, porque os custos da dessalinização de água no Brasil não estão tão altos hoje em dia.

    "O custo de água dessalinizada do Oceano, com recuperação de energia, pode ficar na faixa de 1 dólar por metro cúbico", revelou o engenheiro químico. Já em relação a água salobra "o custo não passa de 1 real e 50 centavos, no máximo 2 reais por metro cúbico".

    Além disso, os resíduos do processo de produção já são aproveitados, inclusive com participação da Embrapa, para cultivo hidropônico ou cultivo de peixes, mais especificamente tilápias.

    Quanto às perspectivas para o próximo governo e uma possível parceria com Israel, o professor afirmou que parceria é bem-vinda, mas o que o governo também precisa reconhecer aquilo que já foi feito.

    "O próximo governo federal precisa se alinhar com esse conhecimento já galgado ao longo dos anos por todos nós nessa região e acredito que esse reconhecimento vai existir", disse Kepner Borges França.

    "Eu visto a camisa, sou apolítico, o laboratório de referência de dessalinização da USCG está a disposição. É um laboratório que trabalha a bastante tempo com dessalinização. Trabalhamos também com água de reuso. O que é fundamental para evitar o êxodo rural dessas comunidades de aproximadamente 25 mil habitantes. Das águas que entram e que saem, mais de 60% pode ser usado para reuso em irrigação", acrescentou.

    "Não tiro o mérito do futuro governo, inclusive acho salutar. Mas acredito que eles sabem do nosso conhecimento e que isso precisa ser reconhecido. Nós temos esse conhecimento e temos capacidade de reproduzir esses sistemas no Brasil para beneficiar as comunidades que não tem acesso à água durante as grandes estiagens", afirmou o especialista.

    "O que a gente precisa é de planejamento", diz Kepner.

    De todo modo, espaço para parceria existe sim. Uma delegação de Israel, inclusive, visitou o laboratório da UFSG em outubro deste ano e a troca de informações "foi muito produtiva".

    A questão, segundo Kepler, é o governo manter aquilo que já está funcionando.

    "A tecnologia nós temos. A gente precisa capacitar mais gente. Precisa existir mais investimento em desenvolvimento de tecnologia para produção de membrana no Brasil para deixar de comprar membranas [poliméricas] no exterior (China e EUA)".

    Israel pioneiro na área

    Para Renato Saraiva Ferreira, Diretor do Departamento de Revitalização de Bacias Hidrográficas e Acesso à Água no Ministério do Meio Ambiente (MMA), e que coordena nacionalmente o Programa Água Doce hoje em dia, a notícia da parceria com Israel também é bem-vinda.

    "Israel foi pioneiro na área", disse ele para Sputnik Brasil.

    Segundo o funcionário do MMA, Israel já vem participando de diálogos sobre o tema no país, tendo inclusive enviado uma delegação para participar do Congresso Mundial de Dessalinização de 2017, promovido pela Associação Internacional de Dessalinização em São Paulo. 

    Para ele, as declarações do presidente eleito colocam em evidência um assunto de extrema importância e que está na ponta do desenvolvimento tecnológico.

    "Esse é o assunto do momento", disse ele. E o Brasil tem toda a estrutura para receber essa parceria com "mais de 200 instituições, universidades e governo envolvidos no Programa Água Doce".

    Além disso, "energia solar vem junto para somar com a implantação de sistemas", acrescentou o especialista. Para ele, a dessalinização acaba puxando projetos de energia, como os que acabaram de ser lançados no Rio Grande do Norte, onde um polo de geração de energia solar foi inaugurado junto com a instalação de um sistema de dessalinização.

    Além disso, cidade grandes também estão começando a pensar em projetos de dessalinização da água do mar, em função dos problemas com abastecimento de água. 

    Ele revelou que a cidade de Fortaleza está implantando um sistema de dessalinização de água do mar e que Israel, o "primeiro país a realizar esse processo no mundo", poderia sim trazer contribuições importantes para o setor, que deve crescer cada vez mais no Brasil.

    Mais:

    Água doce pode desencadear uma guerra nuclear?
    1ª cidade no mundo com chances de ficar sem água faz de tudo para evitar catástrofe
    Água: um bem que continua a ‘entrar pelo cano’ no Brasil
    Tags:
    dessalinização, água, UFCG, Ministério do Meio Ambiente, Renato Saraiva Ferreira, Kepner Borges França, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar