03:24 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Militares do Exército dos EUA ao lado do sistema Patriot na base aérea de Siauliai, na Lituânia (foto de arquivo)

    O que há por trás da decisão súbita dos EUA de fornecerem sistemas Patriot à Turquia?

    © AP Photo / Mindaugas Kulbis
    Análise
    URL curta
    323

    Segundo a Agência de Cooperação de Segurança de Defesa, o Departamento de Estado dos EUA aprovou a venda no valor de US$ 3,5 bilhões (R$ 13,6 bilhões) de sistemas de defesa antimíssil Patriot para a Turquia.

    Previamente, Ancara havia pedido permissão para comprar quatro conjuntos de 20 lançadores, completados com 80 mísseis interceptadores.

    O Pentágono alega que Turquia deseja usar esses sistemas para fortalecer suas defesas, proteger sua integridade territorial e conter ameaças regionais.

    Durante muito tempo o lado americano bloqueou a venda dos Patriot para o país, apesar do contínuo interesse de Ancara, mas houve uma mudança drástica de interesses, fazendo com que Washington mudasse sua abordagem desse fornecimento a Ancara.

    Um ex-oficial da Divisão de Forças Especiais das Forças Armadas turcas, Abdullah Agar, disse à Sputnik que devido ao fato de Ancara ter dado início ao fortalecimento de sua política externa e à independência em defesa, Washington se viu ameaçado, pois isso representa sérios riscos geopolíticos e estratégicos para os EUA.

    "Há um poderoso escudo que está sendo formado com os sistemas russos S-300 e S-400 na área entre o mar de Barents e o canal de Suez, que visa conter eficazmente os Estados Unidos; é por isso que os americanos tomam essas medidas", observou o especialista.

    Para o analista, "o Departamento de Estado aprovou um possível acordo para vender esses sistemas antimísseis Patriot para a Turquia", porque os EUA não querem perder a chance de obter lucros através do fornecimento de seus sistemas de defesa, além do fato de Ancara estar buscando alternativas ainda mais eficazes do que os Patriot dos EUA.

    De acordo com Sergei Zheleznyak, membro do Comitê de Relações Internacionais da Duma (Câmara Baixa russa), os EUA têm medo de ficar sem nada em relação ao suprimento desses sistemas e acredita que Washington fará ainda mais esforços para tentar interromper o acordo dos S-400 russos.

    "Os EUA estão tentando impedir o fornecimento russo de sistemas de mísseis S-400 para a Turquia […] Washington tem medo de ficar sem nada; eles realmente esperam que a Turquia continue comprando armamento dos EUA", disse o deputado.

    "Apesar do fato de a Turquia ser um Estado membro da OTAN, ela está perseguindo uma política externa independente e depende principalmente de si própria para proteger sua soberania", acrescentou.

    Recentemente, Yuri Shvytkin, vice-presidente do Comitê de Defesa da Duma, disse à Sputnik que a decisão de compra dos sistemas de defesa antimíssil dos EUA é uma questão doméstica da Turquia, mas ressaltou que os sistemas S-400 russos são melhores e mais avançados.

    Shvytkin acredita que a decisão súbita dos EUA de aprovação do fornecimento deve-se ao fato dos contratos de entrega dos S-400 estarem avançando e, por causa disso, Washington tenta impingir seus equipamentos militares à Turquia, "considerando que o país é membro da OTAN".

    Além disso, Shvytkin enfatizou que a Rússia está aberta para uma cooperação técnico-militar mutuamente benéfica com a Turquia.

    "Temos interesses comuns bastante semelhantes, incluindo os no Oriente Médio. Acho que esse contrato dos S-400 não apenas fortalecerá nossa relação bilateral, mas será um incentivo para a cooperação mutuamente vantajosa na região", concluiu o especialista.

    Mais:

    Sistemas de defesa antiaérea russos S-400 mostram suas capacidades na Crimeia
    General: Ativação do sistema S-400 russo na Síria aumenta a ameaça para as tropas dos EUA
    'S-400 é um negócio feito': ministro turco revela motivo da compra do sistema russo
    Mídia: Senado dos EUA dá ultimato à Turquia sobre a compra dos S-400
    Tags:
    s-400, patriot, má intenção, sistemas de defesa, fornecimento, Departamento de Estado dos EUA, OTAN, Yuri Shvytkin, Sergei Zheleznyak, Turquia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar