18:36 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Um navio iraniano lança míssil no estreito de Ormuz

    Será Irã o primeiro a atacar EUA em caso de conflito no golfo Pérsico?

    © AFP 2019 / Ebrahim Noroozi / Jamejamonline
    Análise
    URL curta
    21513

    A ameaça de Hassan Rouhani de fechar o estreito de Ormuz representa um desafio para Washington, explica o analista político Ghassan Kadi, enfatizando que a posição geográfica única do Irã lhe permite manter o controle sobre o golfo Pérsico.

    O analista político de origem síria Ghassan Kadi comentou à Sputnik Internacional as crescentes tensões entre Washington e Teerã no golfo Pérsico.

    "Antes da Revolução Iraniana [em 1979], o xeque do Irã era conhecido como ‘o policial do golfo', ou seja, o policial dos EUA, e tendo-o de seu lado, os Estados Unidos não 'precisavam' de uma grande presença militar lá", indicou.

    No entanto, assegura o especialista, a Revolução Iraniana afetou significativamente o equilíbrio de forças na região.

    "E embora a Quinta Frota dos EUA só tivesse sido reativada em 1995, a presença da Marinha dos EUA regressou em força para a região […]", comentou, acrescentando que as forças norte-americanas derrubaram alguns aviões iranianos como, por exemplo, o voo 655 em 1988 e um Airbus A300.

    A última implantação de um grupo de ataque liderado pelo porta-aviões USS John C. Stennis no golfo Pérsico não constitui uma mudança significativa no status quo, e só pode ser vista como uma ação que visa intimidar os iranianos, destaca o especialista.

    A localização estratégica do Irã permite manter o controle sobre o golfo Pérsico e, particularmente, sobre o estreito de Ormuz. Portanto, não é surpreendente que Teerã o use como moeda de troca em meio à escalada das tensões entre Washington e Teerã, provocada por uma série de sanções da Administração Trump contra a República Islâmica.

    No dia 4 do dezembro, o presidente iraniano Hassan Rouhani sinalizou novamente a prontidão de bloquear o estreito de Ormuz (a faixa marítima mais movimentada do mundo para embarques de petróleo), se Trump interromper o comércio de petróleo da República Islâmica.

    Segundo o analista, "o Irã usará esta carta como último recurso e, visto que o Irã não tem porta-aviões para enviar ao golfo do México, a ameaça de bloquear o estreito de Ormuz também deve ser simbólica e expressar desafio e contra-intimidação".

    Os parlamentares iranianos e altos responsáveis militares continuam a reiterar que a República Islâmica é capaz de se defender, mas por outro lado, considerando o desequilíbrio de forças entre o Irã e os Estados Unidos, é pouco provável que o Irã seja primeiro a atacar, opina.

    Mais:

    EUA enviam destróier ao golfo Pérsico para demonstrar força ao Irã, relata mídia
    Frota do Irã no golfo Pérsico é reforçada com novo destróier
    Marinha da Guarda Revolucionária do Irã confrontou britânicos no golfo Pérsico, diz mídia
    Tags:
    destróieres, bloqueio, equilíbrio de poder, porta-aviões, ataque, Marinha, golfo Pérsico, Estreito de Ormuz, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar