03:17 19 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    134
    Nos siga no

    Devido à presença da Rússia e principalmente da China na África, a Administração Trump aparentemente começou a se inquietar e a demonstrar interesse em competir para dominar nas relações com os países africanos.

    Segundo o canal NBC, a Administração republicana pode em breve apresentar oficialmente novos planos para melhorar sua posição na África, fortalecendo os laços com nações como o Quênia, Líbia, Somália e Mali, para contrabalançar a influência de outras potências no continente.

    Um lugar estratégico que conecta vários mares e estreitos importantes, em que várias nações instalaram bases militares (inclusive os EUA), é um pequeno país da África oriental, chamado Djibouti. Apesar de não possuir nenhum recurso natural, é um ponto-chave nas rotas que unem os mercados da Ásia, África e Europa, de acordo com a matéria publicada pelo canal RT. 

    A Rússia também planeja abrir um centro logístico na Eritreia, que faz fronteira com Djibouti, uma área considerada estratégica para acesso a rotas marítimas de grande relevância internacional.

    Para o cientista político Julio Burdman, por enquanto essa aproximação da Administração Trump só se observa no discurso. "No âmbito da concorrência geopolítica dos EUA com a China e a Rússia, a Casa Branca manifestou a necessidade de atualizar sua política para a África", sendo a "presença de empresas chinesas na África um processo consolidado de várias décadas".

    Washington tem em mira os países onde "a diplomacia norte-americana estima que há Governos aliados e uma menor presença relativa de investimentos chineses", disse Burdman, adicionando que se deve "prestar atenção ao papel de Marrocos, um país importante na África e que tem o apoio político das monarquias árabes".

    Já para o analista Daniel Blinder, a posição americana não passa de um alarme que intensificou a necessidade de estar presente em diferentes países do continente africano. Os investimentos chineses no setor financeiro e de infraestrutura envolvem uma importante implantação militar para garantir seus interesses econômicos, e isso acaba gerando preocupação nos EUA.

    Na opinião de Blinder, "a África é uma zona rica em recursos naturais e um lugar onde você pode ganhar milhões de dólares", e é por isso que os EUA tentariam combater a influência do "gigante asiático". Para o analista, esse continente "desempenha um papel central, porque seu território é imenso e diverso, ideal para disputas de ordem econômica ou militar".

    As chamadas guerras civis na África que ocorreram no passado podem voltar a se repetir com o apoio militar de outras potências, diz o especialista, ressaltando que não descarta um possível conflito entre os países mais influentes, que pode vir a eclodir devido a alguma causa africana.

    Mulher zambiana caminhando ao longo de trilhos nos arredores de Lusaka, Zâmbia (foto de arquivo)
    © AFP 2021 / Gianluigi Guercia
    O editor do portal Africaye.org, Fernando Díaz Alpuente, afirma que a ascensão de Trump significou uma mudança radical na linguagem política mundial, o que poderá ter consequências muito negativas para os países mais vulneráveis.

    Segundo Alpuente, no que se refere à ação política direta, a atual Administração não tem sido capaz de continuar o pequeno impulso que Obama tentou dar com a celebração do fórum de negócios sobre África. De fato, para Díaz, a única maneira de os fluxos de investimento retornarem à África seria "um surto de crise a nível europeu, como aconteceu com o euro em 2010".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Parlamento da África do Sul avança com proposta de reforma agrária sem compensação
    BRICS na era Bolsonaro: Temer revela 'inquietação' de Rússia, China, Índia e África do Sul
    África do Sul deve acelerar reforma agrária em favor dos negros, diz presidente
    China teria comprado um país na África?
    Tags:
    África, África continental, China, EUA, Rússia, Djibouti, Donald Trump, disputa comercial, disputa política, área estratégica, domínio, investimento estrangeiro, empresas estrangeiras, conflito de interesses
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar