00:24 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras russa e chinesa são vistas durante encontro entre Vladimir Putin e Xi Jinping em 9 de novembro de 2014

    Trump deu comércio da China de presente para Rússia?

    © AFP 2019 / HOW HWEE YOUNG
    Análise
    URL curta
    9300
    Nos siga no

    A edição Business Insider divulgou dados chocantes sobre o comércio exterior dos EUA, informando que, em outubro, os EUA perderam US$ 6,2 bilhões (R$ 24,2 bilhões) somente para pagamento de taxas de importação e exportação.

    No primeiro quadrimestre do ano, as empresas americanas despenderam US$ 10,8 bilhões (R$ 42,3 bilhões) em impostos sobre as importações e exportações de bens entre os Estados Unidos e a China, enquanto no quadrimestre seguinte (maio-agosto) este valor aumentou 33%, atingindo US$ 15,1 bilhões, segundo o colunista da Sputnik, Aleksandr Lesnykh.

    Em outubro de 2018, as companhias americanas pagaram US$ 6,2 bilhões em impostos de importação e exportação, o que foi mais do dobro em comparação com o mesmo mês do ano anterior.

    Assim, os importadores de mercadorias produzidas na China gastaram US$ 2,6 bilhões (R$ 10,1 bilhões) no pagamento de tarifas chinesas — comparando com apenas US$ 0,4 bilhão no período "pré-guerra".

    A curto prazo, as tarifas sobre as importações ajudam a aumentar as receitas do Tesouro americano, mas os efeitos a longo prazo são negativos, provocando um declínio no volume de negócios das empresas americanas, juntamente com um aumento nos preços ao consumidor e uma deterioração do clima de investimento, o que causará uma desaceleração do crescimento econômico.

    Trump afirmou que introduziu as novas tarifas no meio do ano devido ao crescente déficit comercial com a China, que aumentou pelo quinto mês consecutivo, alcançando US$ 55,5 bilhões (R$ 217,4 bilhões) em outubro (valor máximo registrado nos últimos dez anos), ou seja, a Casa Branca não gostou do fato que os EUA estarem comprando mais do que vendendo.

    A principal causa do déficit dos EUA não são as suas importações, mas sim a redução das exportações norte-americanas para a China (em 25% em termos anuais).

    Desde o início da guerra comercial com Washington, Pequim começou a procurar novos fornecedores para o seu mercado interno. No início de novembro, foi realizada em Xangai a feira anual China International Import Expo (CIIE), para viabilizar negócios com países que desejem promover seus produtos no mercado chinês, na qual a delegação da Rússia foi considerada convidada honorária, sendo chefiada pelo primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev.

    Como resultado do fórum, foram assinados acordos entre Moscou e Pequim sobre o fornecimento de produtos alimentícios e para a saúde, produtos de alta tecnologia, mercadorias e equipamentos médicos, cosméticos e joias, além da concessão de 30% de compensação pelo imposto IVA e isenção de tarifas aduaneiras.

    Além disso, foi aberta em Xangai uma representação do Centro Russo de Exportação, sendo um passo muito importante para a assinatura de um acordo com vista a aumentar as transações em moedas nacionais no comércio entre Moscou e Pequim, que está previsto ocorrer até o final do ano.

    A opinião do especialista pode não necessariamente coincidir com a da redação da Sputnik

    Mais:

    Adeus ao dólar? Nova Deli e Abu Dhabi acordaram realizar comércio em moedas locais
    Índia e Irã dão passo decisivo para pôr fim à hegemonia do dólar
    Início do fim? Dólar estadunidense sofre queda drástica
    Quais fatores podem minar liderança do dólar estadunidense no mundo?
    Tags:
    mercado, déficit comercial, exportação, importação, comércio exterior, taxas, tarifas, impostos, Dmitry Medvedev, EUA, Xangai, Rússia, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar