09:44 26 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Mapa da América Latina, feito de Lego (imagem referencial)

    Especialista: conservadores latino-americanos articulam seu próprio 'foro de São Paulo'

    CC BY 2.0 / dirkb86 / dirks LEGO world map 18 closeup south america
    Análise
    URL curta
    355

    Segundo economista, a direita conservadora das Américas busca articular espaços de discussão alternativos à esquerda e de uma forma diferente, do que era feito até então.

    Neste sábado, 8 de dezembro, a região da Tríplice Fronteira (Brasil-Argentina-Paraguai) sediou um evento que reuniu a direita brasileira e das Américas em contraponto ao Foro de São Paulo. 

    A Cúpula Conservadora das Américas tem como objetivo organizar a direita brasileira através de painéis com figuras ilustres para discutir Cultura, Política, Economia e Segurança. 

    Organizado pelo filho do presidente eleito e deputado federal mais votado do país nas últimas eleições, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o evento voltado ao público "conservador" reuniu diversos políticos que ascenderam ao poder nas últimas eleições no Brasil e representantes da direita de outros países da América Latina, como o dissidente cubano Orlando Gutierrez e o venezuelano Roderick Navarro.

    O evento também contou com a participação à distância do filósofo Olavo de Carvalho, que falou de sua casa nos Estados Unidos, via Internet.

    "A prioridade agora tem que ser a mídia e as universidades. A produção cultural do Brasil foi 100% dominada pelos comunistas desde os anos 1960. Temos que investigar tudo, sobretudo as empresas de comunicação, que por 16 anos negaram a existência do Foro de São Paulo. Temos que derrubar essa hegemonia de qualquer maneira. Senão vão destruir o governo que o Brasil escolheu", disse o intelectual durante a parte audível do seu discurso que ficou comprometido pela baixa velocidade da conexão de Internet do evento.

    Segundo o professor do Instituto de Economia da UFRJ, Numa Mazat, a Cúpula Conservadora das Américas foi uma tentativa da "direita conservadora nos costumes e ultraliberal na economia", de organizar um fórum alternativo aos espaços de discussão da esquerda.

    "É interessante observar que nessa reunião encontramos representantes de vários países da América", disse ele.

    Segundo o professor, os quatro eixos temáticos de discussão propostos para este sábado demonstram todo o escopo das atividades pretendidas pelo setor.

    "Esses quatro eixos temáticos são: cultura, segurança, economia e política", explicou. Ou seja, existe uma ambição de discutir estratégias para esses quatro temas fundamentais.

    Mazat destacou uma ênfase dada à cultura e política e comentou as participações de "intelectuais da direita conservadora das Américas", que deixaram claro o "diagnóstico de uma dificuldade da direita de apresentar uma frente cultural que poderia se opor à suposta dominação cultural na mídia e nas universidades da esquerda".

    Esse diagnóstico não é novo, segundo o economista, e já era levantado na década de 1980 na Europa Ocidental, onde se empreendeu um esforço de buscar uma produção cultural conservadora.

    Quanto à economia, no entanto, Mazat aponta uma maior variedade de posições na Europa, do que nas Américas, onde a tendência seria claramente liberal e dependente dos Estados Unidos.

    "Há uma tentativa de regenerar a integração da direita conservadora de um modo diferente do praticado", acrescentou Mazat. "Estamos observando o deslize do espectro da direita para uma via mais radical e mais conservadora nas relações do Estado com religiões e nos costumes", concluiu.

    Mais:

    Trump acusa Google de 'suprimir vozes de conservadores'
    Bolsonaro fará nova avaliação médica para retirada de bolsa de colostomia
    Bolsonaro fala de cheque suspeito de R$ 24 mil para mulher: assessor 'tinha dívida comigo'
    'Bolsonaro só venceu porque não competiu contra mim', diz Lula em carta à BBC
    Peça ao Trump!: Bolsonaro ganha 'missão' para colocar o Brasil na OCDE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar