07:51 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Quebra-gelos estadunidense Healy

    EUA conseguirão recuperar posições no Ártico? Especialista avalia balanço de forças

    © Foto: Bhagerty4
    Análise
    URL curta
    112

    Segundo escreve a mídia americana, Washington já cedeu a Moscou e a Pequim na corrida pelo Ártico. Nessa conexão, um especialista militar russo avaliou o balanço de forças nessa região estrategicamente importante.

    Mais cedo, o canal NBC News indicou que a frota de quebra-gelos dos EUA está em condições terríveis, especialmente visto que atualmente apenas dois quebra-gelos estão operando.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar russo, capitão Vasily Dandykin, revela a atual distribuição de forças nessa região remota e estima o possível desenvolver da situação.

    "A situação atual é resultado de uma espécie de ‘relaxamento' dos norte-americanos após a desintegração da União Soviética e do que ocorreu nos anos 90 e no início do século XX. Eles não davam atenção a essa região, pois tinham outros interesses — Afeganistão e Iraque, onde gastaram centenas de bilhões de dólares", explica.

    Assim, o especialista indica que os EUA abandonaram o Ártico naquela época. Ao mesmo tempo, "a Rússia nos últimos dez anos conseguiu fortalecer posições" nessa região, construindo a frota de quebra-gelos, deslocando bases militares etc.

    "A China, que sempre presta atenção em tudo, tirou as conclusões, comprou o quebra-gelo mais poderoso da Ucrânia e agora está construindo a frota de quebra-gelos", adiciona o capitão.

    Na opinião dele, "os EUA irão tentar atingir Rússia e China. Mas, se conseguirem competir com a China, é pouco provável que o farão com a Rússia. Pois nosso país está muito a frente no que diz respeito ao desenvolvimento da frota de quebra-gelos, inclusive nuclear".

    Os objetivos principais dos quebra-gelos norte-americanos incluem a coleta de dados científicos, resgate de navios bloqueados nos gelos e a neutralização de vazamentos de petróleo em partes remotas do planeta. Ademais, esses navios garantem os interesses dos EUA nas regiões do Ártico, visto que o degelo das geleiras abre novas oportunidades comerciais nessa região.

    No entanto, de acordo com o canal, um dos quebra-gelos em serviço, o Polar Star (Estrela Polar), construído há 40 anos, já ultrapassou o período de vida útil e vive se acidentando.

    Ao mesmo tempo, o segundo, Healy, foi construído em 2000 e hoje só é capaz de realizar tarefas científicas.

    O canal destaca que, no melhor dos casos, um novo quebra-gelo estadunidense entrará nas águas árticas dentro de cinco anos, enquanto hoje a Rússia conta com mais de 40 quebra-gelos na região. No entanto, para atingir isso, é preciso que o governo dos EUA invista bilhões de dólares, mas, em vez disso, a Casa Branca gasta somas enormes para construir um muro na fronteira com o México.

    Mais:

    Canadá prepara resposta à 'ameaça russa' no Ártico, diz mídia
    Stoltenberg revela reação da OTAN às ações russas no Ártico
    Especialista: ninguém tem experiência como a Rússia no Ártico
    Helicóptero russo é aprovado em todos os testes para operar no Ártico
    Tags:
    competição, quebra-gelo, avanço, tecnologia, corrida, Ártico, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik