07:56 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Retratos dos presidentes dos EUA e da China em revistas chinesas (foto de arquivo)

    Trump está blefando: por que acordo comercial entre EUA e China é uma ilusão?

    © AFP 2018 / NICOLAS ASFOURI
    Análise
    URL curta
    880

    Durante a cúpula do G20 em Buenos Aires, os presidentes dos EUA e da China, Donald Trump e Xi Jinping respectivamente, concordaram em suspender a guerra comercial por noventa dias. Até 1º de março de 2019, um novo acordo comercial deve ser concluído, caso contrário, a Casa Branca voltará a aumentar as tarifas.

    Após as negociações entre os líderes na capital argentina, foi decidido que Washington não elevará as tarifas dos produtos chineses de 10% para 25% a partir de 1º de janeiro, enquanto Pequim concordou em comprar produtos agrícolas, industriais e recursos energéticos americanos.

    Após o início da guerra comercial por Trump, a China impôs um imposto de 25% sobre a soja americana e, como resultado, as exportações desse grão caíram 98%, fazendo com que agricultores dos EUA destruíssem suas colheitas.

    "Trump tem a oportunidade de vender produtos agrícolas para a China, enquanto as negociações comerciais continuam", disse o ex-funcionário do Tesouro dos EUA, Brad Setser, em um comentário à Bloomberg.

    Direito ao protecionismo

    Os líderes do G20 reconheceram que a Organização Mundial do Comércio (OMC) necessita de uma reforma e que, em sua forma atual, não resolve as tarefas que se colocam, enquanto a declaração final do G20 pela primeira vez não menciona os perigos das políticas protecionistas.

    No fim de novembro, vários países apresentaram propostas conjuntas de mudanças no Tribunal da OMC, recomendando que os juízes deixem de ter a função de interpretar os conflitos derivados das diferenças das normas jurídicas dos diferentes países, ou seja, que se concentrem apenas na resolução das disputas, sem se distrair com problemas conexos.

    Além disso, os membros da OMC insistem na necessidade de reuniões anuais para ajustar as práticas domésticas do tribunal.

    Apesar das negociações ocorridas na Argentina terem sido classificadas como "muito bem-sucedidas", os especialistas não estão tão otimistas, especialmente no que diz respeito ao fim da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

    "A trégua alcançada na noite de sábado (1º) em Buenos Aires não permite resolver completamente as profundas contradições entre os dois países", escreve o The New York Times.

    Segundo especialistas, Washington e Pequim interpretam o acordo argentino de forma diferente. Em particular, a Casa Branca enfatiza fortemente que a pausa durará apenas até 1º de março e, se o novo acordo de comércio sino-americano não for assinado, os EUA voltarão a aumentar as taxas.

    "As partes propuseram uma série de planos construtivos sobre como resolver adequadamente os problemas e desacordos existentes", informa o Ministério das Relações Exteriores da China. Ambos os países "continuarão a trabalhar juntos para chegar a um acordo sobre as questões comerciais", diz-se no comunicado oficial chinês.

    Corrida em círculo

    A mesma situação ocorreu em maio, quando a Casa Branca anunciou que Pequim concordara em reduzir o superávit comercial e comprar bens americanos no valor de US$ 200 bilhões. A China respondeu vagamente através de uma declaração oficial sobre a intenção de continuar as negociações. Entretanto, no início de julho, os dois países aumentaram as tarifas.

    Os analistas acreditam que isso acontecerá novamente assim que o prazo de 90 dias terminar.

    "Nós adiamos as tarifas por noventa dias e, em troca, não obtivemos nada de novo", disse o especialista do Instituto Americano de Empreendedorismo (AEI) Derek Scissors, em um comentário ao New York Times.

    "O que pode acontecer nesses noventa dias? Os chineses mudarão seu modelo de desenvolvimento nos próximos três meses? Claro que não", acrescentou.

    "A guerra comercial não desapareceu, apenas mudou o formato", disse Anna Borova, analista sênior da Alpari, concluindo que, dentro de três meses, "a China estimulará ativamente sua economia e demanda interna, apoiando bancos e exportadores" e, quando o prazo acabar, o mundo verá uma nova onda de agressão comercial por parte dos Estados Unidos.

    Mais:

    Guerra comercial entre EUA e China abre janela de oportunidades para Rússia
    Ei, EUA: China alerta que guerra comercial pode causar 'Grande Depressão e guerra mundial'
    China cresce e ameaça domínio dos EUA na América Latina, segundo mídia
    Sanções dos EUA fazem com que China passe a buscar ainda mais petróleo e gás da Rússia
    Tags:
    taxas, acordo comercial, impostos, ilusão, trégua, Cúpula do G20, OMC, Donald Trump, Xi Jinping, China, EUA, Buenos Aires
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik