21:24 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    41º presidente dos Estados Unidos, George H.W. Bush, fala com repórteres da Casa Branca depois de se reunir com os principais assessores militares para discutir a Guerra do Golfo Pérsico, em 11 de fevereiro de 1991 (imagem de arquivo)

    Morte de George Bush 'pai' marcará o fim da ordem internacional criada em 1991?

    © AP Photo / Ron Edmonds
    Análise
    URL curta
    1753

    George H.W. Bush, o 41º presidente dos Estados Unidos, faleceu nesta sexta-feira (30) aos 94 anos de idade. Durante seu mandato, acompanhou o fim da Guerra Fria e aspirou a garantir o domínio americano em um mundo de mudanças.

    Em uma carreira política de três décadas, Bush foi congressista do Texas, enviado dos EUA para a China e a ONU, assim como diretor da CIA e vice-presidente de Ronald Reagan (40º presidente americano).

    Ele também dedicou grande parte de sua atenção à política externa e foi amplamente criticado por ter negligenciado as questões domésticas.

    Guerra do Golfo em 1991

    O 41º presidente americano passou por tempos turbulentos, como a queda do Muro de Berlim, as negociações do NAFTA e muitos outros, mas a Guerra do Golfo de 1991 é considerada a peça central de sua presidência e talvez sua maior conquista na política externa.

    Ex-presidente norte-americano George H. W. Bush
    © REUTERS / Kevin Lamarque/Files
    A biografia do falecido presidente da Casa Branca classificou o conflito como seu "maior teste".

    A Guerra do Golfo foi uma grande ofensiva liderada pelos EUA contra o Iraque e seu presidente Saddam Hussein em resposta à invasão iraquiana do Kuwait. A coalizão liderada pelos EUA, que incluía vários países árabes, enviou 670 mil soldados, dos quais 425 mil vieram do país norte-americano.

    Eliminação do potencial nuclear de Saddam

    George H.W. Bush anunciou que seu objetivo na guerra era expulsar as forças de Saddam Hussein do Kuwait, "eliminando" seu potencial nuclear e destruindo suas instalações de armas químicas, bem como a artilharia e os tanques. Apesar de ter conseguido isso, o líder não foi capaz de erradicá-los completamente.

    Seu filho, George W. Bush, alegou uma década depois que o governante iraquiano possuía armas químicas e estava desenvolvendo um programa nuclear — alegação que foi usada como principal pretexto para invadir o Iraque em 2003.

    A guerra de 1991 levou os EUA a aumentarem sua influência e presença militar na região e a estabelecerem uma rede de bases militares em todo o golfo, fazendo com que o sentimento antiamericano na República Islâmica atingisse seu pico.

    Nova Ordem Mundial

    A Guerra do Golfo foi vista como o primeiro teste da nova ordem mundial que Bush proclamou em 1991.

    "Teremos sucesso no golfo. E quando o fizermos, a comunidade mundial terá enviado um aviso duradouro a qualquer ditador ou déspota, presente ou futuro, que tencione levar a cabo uma agressão ilegal", disse ele em um discurso memorável.

    Segundo o falecido presidente, uma nova ordem mundial significaria a segurança coletiva no quadro da cooperação internacional e o colapso dos princípios da era da Guerra Fria. Seu discurso ocorreu quase dez anos antes dos ataques de 11 de setembro, que marcaram um divisor de águas para os EUA e as relações internacionais.

    Mais:

    Homem que atirou sapatos contra George W. Bush concorre ao parlamento no Iraque (VÍDEO)
    Ex-primeira dama Barbara Bush decide abandonar tratamento médico
    Ivanka Trump nomeia assessores do ex-presidente Bush na Casa Branca
    Trump escolhe ex-conselheiro de Bush como assistente de contraterrorismo
    Tags:
    ex-presidente, morre, Guerra Fria, guerra, Nafta, CIA, George H. W. Bush, George W. Bush, Iraque, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik