12:05 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Bashar Assad, Damasco

    Especialista não acredita na ausência de intenções dos EUA de derrubar Assad

    © AFP 2018 / Louai Beshara
    Análise
    URL curta
    321

    Os Estados Unidos, ao declararem sua falta de intenção de mudar a liderança da Síria, estão tentando remover de si próprios o rótulo de agressor, percebendo que o cenário da Líbia não pode ser repetido na Síria por causa dos militares russos, disse Andrei Suzdaltsev, vice-reitor na Escola Superior de Economia de Moscou.

    Mais cedo, o representante especial dos EUA para a Síria, James Jeffrey, disse em entrevista à RIA Novosti e ao jornal Kommersant que os Estados Unidos, embora considerem o presidente sírio Bashar Assad como um criminoso de guerra, não pretendem mudar a liderança na Síria e não querem que ela colapse, mas ao contrário, defendem a integridade territorial da República Árabe.

    De acordo com o cientista político, a presença dos militares russos na Síria muda completamente a situação, impossibilita todos os projetos dos EUA de dividir o território do país. A repetição do cenário líbio é impossível devido à presença de tropas russas.

    "Portanto, tais declarações são um movimento tático destinado a remover as acusações contra os EUA como país agressor, que não foi convidado ao território, e que até ameaça o atual regime", afirmou o cientista, acrescentando que depois destas declarações as acusações aparentemente são retiradas e os EUA ficam aos olhos da comunidade internacional como combatentes contra os terroristas, o que já parece nobre.

    Segundo ele, os Estados Unidos estão conscientes que a situação na Síria é diferente da existente no Iraque e na Líbia.

    "Os Estados Unidos levam em conta o fato de que, enquanto a Rússia estiver presente na Síria, será necessário coordenar suas ações com ela", observou ele.

    A coalizão liderada pelos EUA atua desde 2014 no Iraque e na Síria com o alegado objetivo de derrotar o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países), o autoproclamado Estado Islâmico. No entanto, as ações da coalizão na Síria são realizadas sem autorização das autoridades do país.

    Mais:

    EUA ameaçam com 'graves consequências' todos que fornecem petróleo à Síria
    Enviado dos EUA: as forças militares estrangeiras, tirando as russas, devem deixar a Síria
    Tags:
    declarações, regime, derrubar, agressão, Daesh, James Jeffrey, Bashar Assad, Rússia, Líbia, Iraque, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik