13:44 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Um menino olha para a câmera enquanto se senta nos destroços de uma casa destruída por um ataque aéreo liderado pelos sauditas nos arredores de Sanaa, Iêmen.

    Análise: como EUA conseguiram destruir o Iêmen?

    © REUTERS / Mohamed al-Sayaghi
    Análise
    URL curta
    744

    Após anos de guerra, o Iêmen deixou literalmente de ser um país, e aqueles que tiveram alguma responsabilidade pela agressão durante a Administração Obama, agora pedem que Trump ponha fim à catástrofe, escreve colunista.

    O colunista da revista norte-americana National Interest, Daniel R. DePetris, informa que recentemente vários ex-funcionários do governo Obama assinaram uma declaração pública da National Security Action (Ação de Segurança Nacional) sobre o Iêmen, onde pedem a interrupção de qualquer iniciativa de apoio ao conflito armado que assola a nação árabe e a prestação de ajuda humanitária ao povo iemenita.

    O documento foi publicado dez dias depois de o Departamento de Defesa dos EUA ter anunciado a cessação das operações de reabastecimento aéreo por aviões cisterna norte-americanos de aeronaves militares da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

    Segundo DePetris, a declaração surgiu na hora em que o povo iemenita mais precisava, pois está passando a pior fome que o mundo já viu em décadas: 14 milhões de pessoas estão à beira da inanição. Esse número só aumentará se os intensos combates em andamento na cidade costeira de Hodeida danificarem seu porto.

    A assistência militar norte-americana a Riad durante três anos e meio significou um desastre humanitário sem precedentes. O grupo terrorista Al-Qaeda (proibido na Rússia e em outros países) acabou aproveitando do conflito para se beneficiar e enriquecer seus recursos, declara o autor.

    "Chegou a hora de acabarmos com o nosso apoio e participação neste conflito brutal", diz um dos ex-funcionários. Porém, algumas das mesmas pessoas que agora defendem a retirada dos EUA defenderam a participação dos EUA quando faziam parte do governo Obama.

    Em 8 de novembro, a ex-embaixadora dos EUA na ONU, Samantha Power, publicou em seu Twitter que "os pedidos da administração Trump para um cessar-fogo no Iêmen não são suficientes, os combates estão piorando em Hodeida neste momento". No entanto, Power e sua equipe na ONU fez pouco para impedir os sauditas, ressalta o jornalista.

    Menina iemenita sofre de desnutrição, consequência da guerra e do bloqueio da Arábia Saudita, Iêmen, 25 de agosto de 2018
    © AP Photo / Hammadi Issa
    Menina iemenita sofre de desnutrição, consequência da guerra e do bloqueio da Arábia Saudita, Iêmen, 25 de agosto de 2018

    O reabastecimento de aviões da Arábia Saudita com combustível americano, o fornecimento de apoio de inteligência e o total suporte diplomático de Riad em fóruns internacionais foi uma política estabelecida e financiada pelo governo Obama, recorda DePetris.

    Em 2015, quando a Holanda tentou, relativamente a este conflito, aprovar uma resolução para a criação de uma equipe independente e imparcial de investigadores de crimes de guerra das Nações Unidas, a delegação da Arábia Saudita tentou impedir o esforço e foi apoiada pelo governo americano.

    Recentemente, o vice-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Ben Rhodes, condenou o governo Trump por "terceirizar" a política de Washington sobre o Iêmen à Arábia Saudita e a seu parceiro, os Emirados Árabes Unidos.

    Além disso, as vendas de armas ao país saudita durante a administração de Barack Obama alcançaram um total de US$ 138 bilhões, um valor oito vezes superior aos contratos semelhantes da época de George W. Bush.

    "Agora que os ex-funcionários de Obama estão fora do governo e na Casa Branca está outro partido, eles sentem a necessidade de falar sobre uma mudança de política. Mas, quando muitos desses funcionários estavam no governo, eles dirigiram a política de que agora se queixam", resume o jornalista.

    O autor ainda afirma que "a política dos EUA no Iêmen tem sido uma farsa por muito tempo", e enfatiza que Washington fala sobre paz, enquanto continua alimentando o conflito apoiando somente um dos lados.

    Mais:

    ONU alerta para o problema da fome no Iêmen
    Pelo menos 20 mortos em ataque da coalizão no Iêmen
    Sauditas seguem recebendo apoio militar dos EUA no Iêmen, mesmo após morte de jornalista
    HRW: Ataques contra civis no Iêmen podem restringir a venda de armas dos EUA para a Arábia
    Tags:
    morte, terrorismo, fome, destruição, países árabes, guerra, Departamento de Defesa dos EUA, The National Interest, Donald Trump, Barack Obama, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik