10:16 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Manifestantes queimam retratos de Muammar Khaddafi em Benghazi

    OTAN joga culpa pela operação na Líbia nos europeus, mas a realidade é outra, diz analista

    © Sputnik / Andrei Stenin
    Análise
    URL curta
    2112

    O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, desresponsabilizou a Aliança pela operação na Líbia, afirmando que esta foi iniciada pelos países europeus. Porém, para o analista Pavel Salin, Stoltenberg não contou toda na verdade sobre o assunto.

    Segundo o secretário-geral, a operação foi começada pela Europa, "em maior grau pela França e Reino Unido".

    Apesar de a decisão sobre a operação ter sido tomada sem a OTAN e os EUA, os países europeus mais tarde perceberam que precisavam da ajuda destes, sublinhou Stoltenberg.

    Pavel Salin, cientista político russo e professor da Universidade de Finanças, acha que a razão apontada por Stoltenberg não corresponde à realidade.

    Para ele, com a operação na Líbia, os EUA conseguiram pôr na prática a sua concepção quanto ao Oriente Médio.

    "No caso da Líbia, eles [os EUA] conseguiram pôr plenamente em prática a concepção que promoveram no fim dos anos 2000 e início dos 2010 — 'liderança por detrás', quando os fins dos EUA são atingidos por meio dos aliados. Isso aconteceu quando começou a desagradar aos americanos o fato de estarem sempre na primeira linha no Iraque e também no Afeganistão […] Ademais, talvez tenham tido lugar interesses pessoais de alguns líderes europeus, porque, antes de o assassinato de [Muammar] Kadhafi ter sido ordenado, ele alegou que tinha dados comprometedores", falou o analista para o serviço russo da Rádio Sputnik.

    Estas duas razões, mais as reservas de petróleo e o fato de a OTAN precisar de alguma razão para sua existência após o colapso da URSS, contribuíram para o lançamento da operação na Líbia, sublinhou Salin.

    "Mas dizer que a OTAN não teve nada a ver com isso, que simplesmente 'foi um pedido dos países europeus' não corresponde à realidade", acrescentou.

    Todos os interessados no ataque à Líbia tiraram seu proveito: o presidente líbio foi calado, as corporações internacionais ganharam acesso ao setor de petróleo líbio, a OTAN demonstrou sua importância e os EUA — sua liderança. Aliás, quem perdeu, ressalta o especialista, foram os países europeus.

    "Os europeus foram os que mais perderam porque, se o regime de Kadhafi existisse até hoje, a crise migratória na Europa não teria atingido o nível que tem hoje. Os europeus negociaram com Kadhafi, ele impedia o fluxo migratório", explicou o cientista político russo.

    Após a morte de Kadhafi em 2011, a Líbia tem permanecido submergida em uma guerra civil. Dois governos rivais lutam pelo controle do país. As regiões orientais da Líbia são governadas por um parlamento sediado na cidade de Tobruk, que coopera com o Exército Nacional da Líbia, liderado por Haftar. O Governo do Acordo Nacional, formado com o apoio das Nações Unidas e da Europa, opera no oeste do país, inclusive na capital líbia de Trípoli. A falta de centralidade resultou em um surto de atividades de tráfico humano e no desenvolvimento de grupos jihadistas, tornando-se uma porta de entrada para migrantes ilegais da África para a Europa.

    Mais:

    Rússia não tomará lado no conflito da Líbia, diz governo
    Mídia: inteligência britânica acusa Putin de 'querer transformar Líbia em nova Síria'
    Tags:
    operação, ataque, petróleo, OTAN, Muammar Kadhafi, Jens Stoltenberg, URSS, Líbia, Iraque, Afeganistão, Europa, Reino Unido, EUA, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik