20:48 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Antártida

    Poderá se desencadear um conflito pelas riquezas da Antártida?

    CC BY 2.0 / Christopher Michel / Antarctica 2013: Journey to the Crystal Desert
    Análise
    URL curta
    140

    O continente mais frio do mundo, Antártida, continua sendo um território livre de armas militares e está protegido pelo Tratado da Antártida. Mesmo assim, o território apresenta um grande interesse econômico e geopolítico.

    O acordo foi firmado inicialmente em 1959 por 12 países e agora conta com 53 signatários. Em 1991, os membros do tratado assinaram um protocolo que proíbe a extração de recursos no continente a menos que seja feito com fins científicos.

    O acordo permanecerá válido até 2048, quando os assinantes deverão revisar suas condições. O continente frio está cheio de riquezas naturais e muitos acham injusto que o território permaneça quase intacto.

    Debaixo da capa de gelo antártico há enormes reservas de recursos naturais: segundo avaliações científicas, os campos de petróleo da região contêm entre 36 e 200 bilhões de barris de petróleo.

    Apesar de a humanidade tender a utilizar cada vez mais recursos ecológicos e renováveis, o petróleo e o gás continuarão sendo os recursos principais nos próximos anos, afirma o colunista do jornal Izvestia, Vladimir Dobrynin, referindo-se ao secretário-geral da OPEP, Mohamad Sanusi Barkindo. O último deixou claro que a maioria dos automóveis em 2040 seguirão usando motores de combustão interna.

    Ou seja, a demanda de energia torna o continente ainda mais atraente para muitos países, mesmo para os que assinaram o tratado.

    Além do petróleo, a Antártida parece ter quantidades sem precedentes de diamantes. No entanto, sublinha o autor do artigo, o tesouro principal do continente branco é a água doce, representando uns 70% das reservas mundiais.

    Entre os países que pretendem obter terrenos no continente estão a Austrália, Argentina, Reino Unido, Nova Zelândia, Noruega, França e Chile. E há mais dois Estados que buscam o reconhecimento da Antártida como seu território — a Rússia e os EUA.

    Ambos afirmam que foram cidadãos seus que descobriram o território. Os russos dizem que foram os exploradores russos Bellingshausen e Lazarev que descobriram o continente. A parte americana assegura que o território foi descoberto pelo capitão Nathaniel Palmer.

    O especialista do jornal The Independent, Klaus Dodds, sublinha que a Rússia leva o assunto a sério e destina muitos recursos aos estudos da Antártida.

    Além disso, parte da estratégia russa pode compreender uso do continente frio para expandir o desenvolvimento de Glonass, tecnologia de navegação global por satélite com que pretende fazer concorrência ao GPS norte-americano, opina Héctor Estepa, analista de El Confidencial.

    Segundo o colunista, os russos já possuem no continente três sistemas de monitoramento de satélites Glonass e pretendem construir mais. Há quem alegue que a Rússia tenha capacidades não apenas de receber sinais do espaço, mas também de suprimir ou alterar os sinais de satélites estrangeiros.

    Apesar de a China não estar na lista dos países interessados no território, Pequim também quer obter proveito. Até agora, o país asiático conta com três bases de monitoramento de satélites na Antártida.

    Quanto às bases científicas, estas às vezes servem não apenas para realizar pesquisas, mas também para demonstrar seu interesse pela área e confirmar lá sua presença, diz o artigo de Dobrynin.

    Se os países tivessem interesses apenas científicos, poderiam equipar suas bases na Antártida com equipamento que permita monitorar a natureza à distância.

    O fato de os Estados tentarem construir mais bases e enviar mais investigadores significa que seu interesse vai além da ciência, conclui o artigo.

    Mais:

    NASA encontra na Antártida 2º iceberg retangular perfeito (FOTO)
    Cientistas encontram 'continentes perdidos' debaixo do gelo da Antártica (VÍDEO)
    Tags:
    continente, água doce, diamante, frio, riqueza, recursos naturais, exploração, petróleo, Nova Zelândia, Chile, Reino Unido, Antártida, China, EUA, Argentina, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik