00:10 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Tanques M1Abrams da OTAN (foto de arquivo)

    'Escalada do medo': parlamentar russo fala sobre suposta 'guerra' referida pela OTAN

    © Sputnik / Sergei Melkovonov
    Análise
    URL curta
    13232

    Recentemente, a OTAN anunciou planos para tomar medidas visando aumentar suas capacidades militares em caso de uma guerra hipotética com Moscou. Nessa conexão, vários políticos e especialistas russos indicam o que realmente está por trás dessas declarações e revelam se isso representa ou não qualquer perigo para a Rússia.

    Mais cedo, o chefe do Corpo Militar Internacional da Aliança Atlântica, Jan Broeks, declarou que em caso de conflito armado com a Rússia, os países europeus membros da OTAN iriam enfrentar problemas realmente sérios.

    Manobras militares Trident Juncture 2018, na Noruega
    © REUTERS / Sgt Marc-Andre Gaudreault/NATO JFC Brunssum Imagery
    Em particular, os parlamentários de ambas as câmaras do parlamento russo comentaram as recentes declarações do chefe do Corpo Militar Internacional da Aliança Atlântica, Jan Broeks.

    De acordo com o senador russo e membro do Comitê Internacional do Conselho da Federação, Oleg Morozov, isso se destina a inspirar medo nos europeus e, consequentemente, conseguir mais investimentos para a OTAN.

    "Tais declarações têm dois objetivos. O primeiro é dar um sinal a todo o mundo que a Rússia é agressiva e pode iniciar uma guerra real na Europa. A escalada do medo", sublinhou.

    O segundo objetivo, segundo ele, é mostrar aos europeus que eles estão desprotegidos perante um "agressor potencial" e dizer que é necessário pagar pela "segurança".

    "Na realidade, o transporte de material militar é uma questão secundária e pode ser resolvida. Praticamente todos os países europeus da OTAN, inclusive os que fazem fronteira conosco [Rússia], têm material militar da Aliança posicionado em seu território. Nas condições atuais, aumentar esse potencial é uma questão de alguns dias", enfatizou.

    Ao mesmo tempo, o vice-presidente do Comitê para Defesa da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Aleksandr Sherin indicou que tais afirmações foram expressas para escalar a situação através da promoção dos interesses de várias empresas ligadas à Defesa.

    "Na realidade, nos EUA toda a escalada finalmente se reduz a dinheiro", afirmou.

    Ao comentar a situação à Sputnik, o especialista militar russo Igor Korotchenko explicou o que, de fato, significam esses planos do bloco militar.

    "Essas declarações provam que a OTAN continua se preparando para uma guerra, a ritmo acelerado. As palavras do general Broeks são um apelo para o levantamento de todos os obstáculos que impedem a criação de condições, caso apareça tal necessidade, de permitir uma logística desimpedida e um desdobramento desimpedido de unidades de ataque das tropas da Aliança Atlântica nas proximidades das fronteiras da Rússia. É evidente que tais apelos serão realizados através de decisões concretas e isso é extremamente perigoso", afirmou o especialista.

    Quanto às medidas que a Rússia poderia tomar como reação às declarações acima mencionadas, Korotchenko opina que a resposta será "assimétrica, mas ao mesmo tempo relativamente barata", pois não vale a pena "entrar nessa corrida armamentista", mas também não é possível deixar tais planos da OTAN "sem atenção".

    Mais:

    Analista comenta preocupação da OTAN: aviões russos não voam com armas nucleares a bordo
    Mídia: Ex-embaixador dos EUA sugere que Brasil se junte à OTAN
    Por que os exercícios da OTAN na Noruega podem custar caro à Europa?
    Pilotos russos interceptam caças Rafale da OTAN na Síria (VÍDEO)
    Tags:
    investimento militar, medo, manobras, escalada, infraestrutura, Trident Juncture 2018, Parlamento da Rússia, OTAN, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik