09:35 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Bombardeiro russo Tu-160

    Analista comenta preocupação da OTAN: aviões russos não voam com armas nucleares a bordo

    © AP Photo / Misha Japaridze
    Análise
    URL curta
    2221

    Voo rotineiro de aviões russos fez aviação da OTAN levantar voo em resposta. Nessa conexão, o especialista militar comentou as preocupações infundadas da OTAN, demonstradas no âmbito dos maiores exercícios militares da Aliança Atlântica desde a época da Guerra Fria e que estão decorrendo nestes dias.

    Mais cedo, o Ministério da Defesa da Rússia informou que dois bombardeiros estratégicos russos Tu-160 sobrevoaram águas neutras dos mares de Barents e da Noruega.

    De acordo com o ministério, a aviação de longa distância russa efetua regularmente voos sobre águas neutras do Ártico, Atlântico Norte, mares Negro e Cáspio, bem como sobre o oceano Pacífico.

    Destaca-se também que todos os voos da Força Aeroespacial russa são realizados em conformidade com as regras internacionais de utilização do espaço aéreo, sem violação das fronteiras de outros Estados.

    De 25 de outubro a 7 de novembro, na Noruega e nas áreas circundantes do Atlântico Norte e no mar Báltico está decorrendo a fase ativa dos exercícios Trident Juncture 2018 da OTAN, os maiores desde a época da Guerra Fria. As manobras envolvem cerca de 50 mil soldados, 250 aeronaves e 65 embarcações de 31 países. Alguns analistas acreditam que o principal objetivo das manobras seja enviar um sinal à Rússia.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o analista militar e investigador do Centro de Pesquisas Político-Militares da Universidade MGIMO, Vladimir Kozin, comentou a situação e as ações de ambas as partes.

    "Acredito que os países da OTAN se preocuparam de modo infundado, pois os nossos aviões não voam com armas nucleares a bordo, mas efetuam voos de treinamento comuns e, entretanto, não entram na zona sob controle de países estrangeiros", destacou o especialista.

    "Por outro lado, os bombardeiros estratégicos pesados norte-americanos B-52H e B-2A estão sempre patrulhando o espaço aéreo da Europa. Ademais, um B-52H aterrissou na base aérea militar de Amari, na Estônia. E não sabemos se os estadunidenses portavam ou não armas nucleares a bordo de seus bombardeiros pesados", indicou.

    Ao falar sobre a atividade militar dos EUA, o especialista lembrou que os estadunidenses efetuam, de modo regular, exercícios militares em escala global, usando sua aviação estratégica.

    "Por isso, antes de acusar a Rússia de quaisquer ações, os estadunidenses e os países-membros da OTAN devem dar uma olhada para si próprios […]", sublinhou.

    Entretanto, Kozin chamou a atenção para que "nos últimos anos os Estados Unidos têm começado a realizar manobras usando armamento convencional que, segundo o cenário tático, levam ao uso de armas nucleares", adicionando que antes "esses treinamentos eram separados", mas agora houve uma transformação.

    Mais:

    Mídia: Ex-embaixador dos EUA sugere que Brasil se junte à OTAN
    Analista: nenhum esforço da OTAN pode dificultar ação da Marinha russa
    OTAN receia 'aventureirismo militar' da Rússia, diz fonte
    Bombardeiros russos sobrevoam águas neutras do mar da Noruega em meio às manobras da OTAN
    Tags:
    aviões de guerra, preocupação, armas nucleares, manobras, Trident Juncture 2018, OTAN, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik