07:19 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Veículos militares lavando mísseis balísticos chineses DF-26

    Tratado INF impede EUA de terem supremacia sobre China no oeste do Pacífico?

    © AFP 2018 / Andy Wong
    Análise
    URL curta
    Provável saída dos EUA do Tratado INF (23)
    10113

    O Tratado INF, que atualmente permanece em vigor, não permite que os EUA posicionem mísseis de médio alcance na parte ocidental do oceano Pacífico, privando-os da superioridade perante a China, que não participa desse acordo, indica o especialista chinês.

    Washington está à beira de abandonar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), assinado em 1987 em plena Guerra Fria. Falando a repórteres no gramado sul da Casa Branca na segunda-feira, Trump reclamou que Moscou "não fez o suficiente" para cumprir o tratado INF. Ele também disse que a China deveria fazer parte do Tratado.

    O especialista chinês Jiang Dongliu, do Instituto Charhar, explicou o que realmente está por trás dessa intenção do presidente estadunidense.

    "Trump quer apresentar a proposta sobre um Tratado INF trilateral entre Rússia, China e EUA. O tratado atual impõe restrições aos EUA, privando-os da possibilidade de posicionar mísseis de médio alcance na parte ocidental do oceano Pacífico, privando-os da superioridade perante a China, que não tem responsabilidades no âmbito do acordo", acredita o especialista.

    Entretanto, o cientista confirmou que a China possui vários milhares de mísseis de curto alcance, no entanto, eles perseguem principalmente objetivos de defesa, pois sua missão principal é proteger os interesses vitais da China.

    "Esses mísseis nunca participarão de combates reais até que um inimigo decida atentar contra os interesses vitais da China. Ao invés disso, é possível dizer que esses mísseis são um meio importante para China manter a paz em todo o mundo", declarou.

    "Se a China se juntasse ao Tratado INF […] 95% dos mísseis chineses violariam esse acordo, portanto a China não vai fazê-lo", sublinhou.

    Ao mesmo tempo, Dongliu enfatizou que se, após a saída do Tratado INF, os EUA quiserem privar os mísseis chineses de sua vantagem nessa parte do oceano Pacífico, eles só o conseguirão fazer instalando seus mísseis em países aliados perto das fronteiras do gigante asiático.

    Por esta razão, opina o especialista, a China deve avisar abertamente todos os países que estão prontos a instalar mísseis norte-americanos em seu território. Pois se os EUA atacarem desde aí, esses países serão afetados por um ataque de resposta terrível por parte da China.

    Datado de 1987, o Tratado INF previa a eliminação de mísseis balísticos e de cruzeiro, nucleares ou convencionais, cujo alcance correspondesse a intervalos entre 500 e 5.500 quilômetros.

    Tema:
    Provável saída dos EUA do Tratado INF (23)

    Mais:

    'Era de esperar': o que está por trás dos planos de Trump de sair do Tratado INF
    'Caos total na área de armas nucleares': senador russo prevê consequências do fim do INF
    Rússia responderia à saída americana do INF inclusive por via militar, diz vice-ministro
    Moscou: instalação de sistemas Mk-41 pelos EUA na Polônia e Romênia contradiz tratado INF
    Tags:
    superioridade, mísseis, acordo, ataque, Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, Donald Trump, oceano Pacífico, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik