15:58 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Terroristas do Daesh em Tel Abyad, nordeste da Síria (foto de arquivo)

    General iraquiano explica por que EUA não estão interessados em eliminar Daesh

    © AP Photo / Militant website
    Análise
    URL curta
    7190

    A coalizão, liderada pelos Estados Unidos, não está interessada em erradicar o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países), porque a existência do grupo pode ser usada pelos EUA para justificar sua presença militar no Oriente Médio, afirmou o general iraquiano Dia al-Wakil em entrevista à Sputnik Árabe.

    "Não acredito que a coalizão internacional queira pôr fim ao terrorismo na região […] Sob a capa da 'luta contra o terrorismo', as forças [militares] dos EUA podem permanecer e se fortalecer aqui. Por trás disso há metas econômicas. Os americanos precisam de contratos de venda de petróleo e armas. Isso é necessário para o bem-estar americano", disse o analista militar.

    Segundo al-Wakil, o grupo terrorista é uma "ferramenta útil" que pode ser usada "várias vezes" por seus apoiadores, sendo preocupante a possibilidade de terroristas terem sido transferidos para o Iraque sob "supervisão" dos EUA.

    Ele ressaltou que houve casos em que terroristas viajaram da Síria para o Iraque, para a península do Sinai ou para o Afeganistão.

    "Portanto, pode-se dizer que o Daesh continua sendo uma força proeminente na região e no mundo", destacou o especialista militar. "Esta organização não foi destruída, mas ainda será usada em lutas políticas, especialmente em meio à instabilidade no Oriente Médio."

    De acordo com o general iraquiano, os servidores usados pelos terroristas para promover suas ideologias estão todos localizados nos EUA e na Europa e ainda estão operando, e, para lidar com essa situação, Bagdá deve reagir com sabedoria e buscar políticas nacionais que sirvam aos interesses soberanos do Iraque.

    Além disso, o Exército iraquiano está aumentando o controle da fronteira do país com a Síria para bloquear as tentativas dos jihadistas de entrar no Iraque ou de contrabandear armas, e também reformou a segurança de regiões fronteiriças.

    "A presença [das forças iraquianas] nos postos fronteiriços e pontos de observação, bem como a construção e a patrulha de parapeitos, fortificações e cercas foram reforçadas na fronteira sírio-iraquiana", disseram as forças de segurança iraquianas em um comunicado oficial no dia 11 de outubro.

    Anteriormente em agosto, a Força Aérea iraquiana contra-atacou, a pedido do governo sírio, o Daesh no território da Síria.

    Em 2011, a guerra civil síria eclodiu, transformando-se rapidamente em um grande impasse global. Os terroristas do Daesh se tornaram o foco da atenção mundial em 2014, quando tomaram o controle de várias regiões estratégicas no oeste do Iraque.

    O envolvimento da Rússia na guerra, em setembro de 2015, tornou-se um divisor de águas, abrindo caminho para a erradicação da organização terrorista na Síria.

    Mais:

    Dois militantes do Daesh foram liquidados na República Russa do Daguestão
    Ataque de mísseis iranianos na Síria elimina 40 militantes do Daesh
    Analistas apontam para região que pode vir a ser novo 'ninho de vespas' do Daesh
    Milícias curdas eliminam 26 militantes do Daesh na Síria
    Tags:
    eliminação, jihadistas, terroristas, estratégia, terrorismo, Daesh, Iraque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik