02:07 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Sistemas russos de defesa antiaérea S-400

    Sanções americanas por S-400 'aproximarão a Índia ainda mais da Rússia', diz analista

    © Sputnik / Sergey Malgavko
    Análise
    URL curta
    7230

    No dia 5 de outubro, com a assinatura do acordo sobre a venda da Rússia dos sistemas de defesa antiaérea S-400 para a Índia, o presidente dos EUA, Donald Trump, indicou algumas medidas duras contra Nova Deli.

    Anteriormente foi afirmado que o acordo, assinado durante a visita do presidente Vladimir Putin à capital indiana, é de interesse nacional e que as negociações estão em conformidade com a CAATSA (Lei de Contenção de Adversários da América Através de Sanções) por um longo período.

    Na opinião de Amit Cowshish, ex-assessor financeiro do Ministério da Defesa da Índia, a aplicação de sanções à Índia, por causa dos S-400 russos, aumenta ainda mais as dúvidas sobre as relações indo-americanas.

    "Isso coloca um grande ponto de interrogação diante da relação entre a Índia e os EUA, que esteve em alta por algum tempo. De fato, as sanções serão contraproducentes e aproximarão a Índia ainda mais da Rússia como nunca antes", disse o ex-assessor financeiro à Sputnik.

    Cowshish ainda adiciona que "Rússia, França e Suécia ajudarão a Índia de qualquer forma como fizeram no passado".

    "A Índia terá que conviver com a sanção. Ela terá que encontrar alternativas para atender às exigências de defesa, que, segundo [Índia] acreditava, os EUA poderiam cumprir", complementou.

    Mais:

    Paquistão teste míssil nuclear após Índia oficializar compra do S-400 russo
    Resposta aos S-400 na Índia? Paquistão considera compra de drones chineses
    O que torna S-400 russos tão populares no mercado internacional? Especialista responde
    Interesses nacionais são mais importantes para Índia na compra de S-400, diz analista
    Tags:
    alternativa, relações, sistema de defesa antiaérea, sanções, s-400, Donald Trump, EUA, Índia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik