21:04 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Homem vende camisetas de Jair Bolsonaro no Brasil

    Análise: 'Vitória de Bolsonaro abriria campo muito fértil para uma agressão à Venezuela'

    © REUTERS / Paulo Whitaker
    Análise
    URL curta
    331737

    O especialista venezuelano José Negrón Valera e o analista argentino Javier Tolcachier, em entrevista à Sputnik Mundo, comentaram os possíveis cenários para a região caso o candidato brasileiro Jair Bolsonaro consiga ganhar o segundo turno das eleições presidenciais.

    Segundo Negrón, a "vitória de Bolsonaro abriria um campo muito fértil para uma agressão à Venezuela desde o flanco sul", e que todos teriam que começar a se preocupar.

    "Uma liderança muito perigosa começou a surgir no Brasil, que é de extrema-direita, e que polarizou a sociedade brasileira. Essa polarização é muito perigosa, porque se houver uma liderança radical de ultradireita, estamos a um passo de qualquer ideia maluca ou aventureira, como uma agressão que pode ser legitimada pela sociedade", disse o especialista venezuelano.

    O analista argentino Tolcachier, da agência de notícias Pressenza, considerou que o que acontece com o Brasil não é de forma alguma diferente ao que ocorre com o governo de Macri, atual presidente da Argentina, e que a "ligação econômica e diplomática é muito estreita". Caso o candidato da extrema-direita ganhe, "o eixo antivenezuelano não há dúvida de que se fortaleceria".

    "Por outro lado, está em dúvida se Bolsonaro vai ter uma atitude totalmente aberta como esperada ou de alguma forma tentará imitar alguns aspectos de Trump com uma espécie de nacionalismo protecionista, com o qual variariam os termos da relação, pelo menos no Mercosul", ressaltou.

    "Um governo de Fernando Haddad é um triunfo, mesmo que difícil, há uma possibilidade que o candidato de Lula voltaria a favorecer a aproximação do Brasil com a América Latina. Ajudaria a reconstruir uma integração regional que hoje está bloqueada […] e seria um fator de importante distensão diplomática", concluiu Tolcachier, em entrevista à Sputnik.

    Mais:

    Bolsonaro recusa assinar compromisso contra fake news proposto por Haddad
    Bolsonaro e Haddad falam ao Jornal Nacional sobre alterações na Constituição
    São Paulo: Doria apoia Bolsonaro e França declara neutralidade no segundo turno
    Analista explica por que vitória de Bolsonaro é muito provável
    Tags:
    perigosos, eleições 2018, agressão, Mercosul, Fernando Haddad, Jair Bolsonaro, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik