17:58 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    O Secretário de Estado, Mike Pompeo, ao lado do presidente dos EUA, Donald Trump durante reunião de gabinete em Washington (agosto de 2018)

    O que estaria empurrando Trump a intervir militarmente na Síria?

    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Análise
    URL curta
    13136

    A turbulência nos EUA entre o presidente Donald Trump e o establishment, que tenta "decapitar" o líder por todos os meios, podem conduzir a uma "mudança de regime" em Washington e levar Trump a desencadear uma guerra na Síria para distrair as atenções na véspera das eleições, opina o colunista da Sputnik citando diversas mídias internacionais.

    O autor do artigo, Alfredo Jalife-Rahme, analisa publicações de vários analistas, em busca de resposta se Trump poderá intervir militarmente na Síria nos meses mais próximos, enquanto o presidente sírio Bashar Assad tenta recuperar a estratégica província de Idlib com a ajuda da Rússia e do Irã.

    Segundo lembrou Pat Buchanan, assessor de três ex-presidentes norte-americanos — Nixon, Ford y Reagan —, Trump recentemente mudou a estratégia na Síria e os EUA não deixarão este país em breve, mantendo seus 2 mil soldados no seu território até que todos os militares iranianos e forças ligadas ao Irã saiam da Síria.

    Jalife-Rahme sublinha também que várias fontes citam a posição belicista de James Jeffrey, que foi nomeado representante especial americano para a Síria pelo atual secretário de Estado, Mike Pence, ex-diretor da CIA que, por sua parte, afirmou antes que os "EUA não tolerarão um ataque" em Idlib, segundo o The Washington Post.

    O colunista da Sputnik Mundo recorda que James Jeffrey foi pesquisador do Institute for Near East Policy (WINEP), praticamente uma filial do sobejamente conhecido Comitê Israelense-Americano para Assuntos Públicos (American Israel Public Affairs Committee), que praticamente aplica as exigências do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

    Pat Buchanan aponta para o belicismo do jornal americano The Washington Post e de James Jeffrey em relação à província síria de Idlib, onde "os Estados Unidos poderiam vir a enfrentar militarmente as forças da Rússia e da Síria para obrigá-las a recuar".

    Neste sentido, ele cita a recente cúpula trilateral entre a Rússia, a Turquia e Irã em Teerã, em que Vladimir Putin e Hassan Rouhani disseram ao presidente turco Erdogan que a reconquista de Idlib segue seu curso.

    O ex-assessor sublinhou que "a coalizão entre Assad, Putin e Rouhani decidiu aceitar o risco de um enfrentamento com os norte-americanos para pôr fim à rebelião" e que agora a bola está do lado dos EUA.

    Poderá Trump atacar a Síria para se salvar na véspera das eleições?

    Philip Giraldi, ex-funcionário da inteligência militar da CIA, citado pelo autor, adverte que "uma nova guerra" dos EUA na Síria pode representar a "surpresa de outubro" de Trump com o fim de salvar seu cargo e animar os partidários na véspera das eleições intercalares de 6 de novembro. Estas eleições poderão ser desfavoráveis para o presidente na Câmara dos Representantes, onde o Partido Democrata poderá obter a maioria.

    Girald recorda que há um ano os EUA descreveram a província de Idlib como "o maior refúgio seguro da Al-Qaeda desde 11 de setembro", mas que agora Trump "está tentando salvá-la".

    O ex-funcionário da CIA, citado pelo colunista da Sputnik, acredita que Washington estaria pretendendo usar Trump para "iniciar uma guerra com o fim de mobilizar o país em torno de seu governo".

    Como a Coreia do Norte possui armas nucleares, "os objetivos óbvios para uma guerra seriam o Irã e a Síria", mas como o Irã também não "é um inimigo fácil de derrotar", acredita-se que uma intensificação dos atuais esforços militares na Síria seria preferível.

    Para Giraldi, "o establishment de Washington e seus manipuladores israelenses estreitaram as opções para lidar com a Síria e seu defensor regional, o Irã" e se estão dirigindo para uma guerra, que serviria de salva-vidas para as eleições de meio de mandato perante o fracasso que Trump está enfrentando e que poderá levar inclusive à própria "mudança de regime" nos EUA.

    Concluindo, o colunista cita a opinião de Alastair Crooke, ex-agente secreto britânico, segundo o qual, com tantas frentes abertas no interior e exterior, desde a comercial até à militar, "os Estados Unidos tentam manter sua posição de superpotência e de falar alto e forte". O problema é que Washington se encontra emerso em "uma grave crise interna constitucional e política (e financeira, nos meses que vêm)". Isto é, os EUA, segundo ex-agente britânico, dispõem de um grande poderio militar, "mas politicamente seu poder está fragmentado em campos inimigos, abertamente em guerra".

    A opinião do autor pode não necessariamente corresponder à opinião da Sputnik

    Mais:

    MRE da Rússia: EUA tentam prolongar artificialmente conflito na Síria salvando terroristas
    EUA descartam ter evidências que oposição síria tem armas químicas
    França quer relançar processo de paz na Síria sob égide da ONU
    Tags:
    eleições de 2018 nos EUA, intervenção, guerra, CIA, Departamento de Estado dos EUA, Hassan Rouhani, Recep Tayyip Erdogan, Vladimir Putin, Mike Pompeo, Donald Trump, Turquia, Irã, Rússia, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik