09:30 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Caça norte-americano F-22 Raptor

    Força Aérea dos EUA provoca tripulações de aviões russos, afirma analista militar

    © flickr.com/ Airman Magazine
    Análise
    URL curta
    2102

    Recentemente, caças da Força Aérea dos EUA levantaram voo pela segunda vez em um ano para interceptar dois Tu-95 na região do Alasca.

    O Ministério da Defesa da Rússia informou que os Tu-95 realizaram voos de rotina sobre as águas neutras do oceano Ártico, mares de Okhotsk e de Bering, acrescentando que, em certas partes da rota, os aviões russos foram escoltados por dois caças F-22 dos EUA.

    O analista militar Aleksei Podberezkin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, disse que os norte-americanos estão transformando a prática comum de escoltar aeronaves estratégicas em algo que pode ser perigoso.  

    "Qualquer parte está interessada em controlar o voo de bombardeiros estratégicos perto de seu território, isso porque estes podem transportar mísseis com munições ou bombas nucleares. Então, a questão não é se alguém está monitorando o voo de uma aeronave potencialmente hostil, mas como isso é feito e se está de acordo com as normas e regras geralmente aceitas", comentou Podberezkin. 

    Nesse quesito, segundo o analista, os norte-americanos frequentemente violam essas normas, fazendo manobras perigosas e provocando a tripulação dos bombardeiros. 

    "As aeronaves, como os caças F-22 Raptor ou F-35, foram inicialmente projetadas para não serem detectadas – elas têm uma pequena superfície de dispersão, até meio metro, o que pode provocar uma reação da nossa parte", explicou. 

    Para o analista, a intercepção dos bombardeiros russos por essas aeronaves funciona como uma provocação, uma vez que os pilotos não sabem se algum tipo de projétil foi lançado. 

    Segundo o comunicado do ministério russo, a aviação naval e de longo alcance realiza regularmente voos sobre as águas neutras do oceano Ártico, Atlântico, Pacífico e mar Negro. Todos os voos correspondem às regras internacionais e não violam as fronteiras de outros Estados.

    Da última vez, caças norte-americanos levantaram voo para interceptar bombardeiros estratégicos em maio deste ano.

    Mais:

    Bombardeiro B-2 Spirit dos EUA será equipado com bomba nuclear de precisão
    Construção de novo bombardeiro estratégico russo pode não ser tão fácil
    Por que novo caça ligeiro do Irã pode ser revolucionário para suas Forças Armadas?
    Tags:
    intercepção, bombardeiros, escolta, caças, F-22, Tu-95, F-35, Ministério da Defesa (Rússia), oceano Ártico, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik