07:36 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Combatentes do batalhão Azov prestam juramento em Kiev antes de serem enviados a Donbass, julho de 2014

    Análise: Kiev quer retomar controle sobre Donbass com ajuda da OTAN

    © Sputnik / Yevgeny Kotenko
    Análise
    URL curta
    829

    As autoridades ucranianas procuram garantir sua retaguarda com a ajuda de terceiros na zona de conflito em Donbass e recuperar o controle sobre o território, disse o politólogo Andrei Suzdaltsev, comentando as palavras do ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Pavel Klimkin, sobre a possibilidade de instalar bases militares da OTAN no país.

    Na segunda-feira (3), o presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, apresentou à Suprema Rada (Parlamento da Ucrânia) um projeto de lei referente às emendas na constituição, baseado na lei fundamental que define o curso da Ucrânia na UE e OTAN.  Ao mesmo tempo, Poroshenko propõe excluir da constituição a cláusula sobre a permanência da Frota do Mar Negro da Rússia.

    Klimkim declarou que a questão da implantação das bases militares da OTAN na Ucrânia poderia ser levantada antes da entrada do país na Aliança. Segundo ele, antes disso acontecer, as autoridades ucranianas vão mudar a constituição.

    "Há uma tendência na classe política ucraniana, ativamente alimentada pelos círculos dirigentes, que acreditam que essa 'agressão russa' seria impossível por várias razões: se a Ucrânia tivesse armas nucleares e se a Ucrânia fizesse parte da OTAN para garantir a sua retaguarda", disse Suzdaltsev.

    Ao mesmo tempo, ele observou que as questões de uma solução militar pessoal para o problema de Donbass e da Crimeia não estão na agenda da liderança ucraniana, uma vez que o exército do país não está pronto para um confronto direto.

    "Mas, naturalmente, eles acreditam que se houver uma base da OTAN, e não apenas uma, isso dará segurança e também ajudará a trazer tropas para Donbass, assim como garantirá sua retaguarda com mãos alheias. Esta era a ideia dos pacificadores, a fim de recuperar o controle de Donbass com suas mãos", salientou o especialista.

    O cientista político, Igor Shatrov, comentou sobre essa situação durante entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.

    "Não se sabe se a OTAN continuará a existir daqui a 20 anos, por isso é possível planejar qualquer coisa, sem saber como acabará […] E sobre as mudanças na constituição – isso é interessante. Eles estão propondo remover a cláusula sobre a implantação da Frota do Mar Negro da Rússia na Ucrânia – mais precisamente, na Crimeia; na Ucrânia, a Frota do Mar Negro ainda não foi implantada. E realmente é necessário remover a cláusula […] porque agora a Crimeia não tem nada a ver com a Ucrânia. Por isso, vale a pena aplaudir Poroshenko, que possui ao menos uma lógica em suas propostas", comentou Shatrov.

    Em sua opinião, Kiev fará de tudo para instalar bases militares da OTAN em seu território.

    "Parece que eles mesmos estão empurrando a OTAN ao seu território. Agora esta é a tarefa principal da Ucrânia: atrair de qualquer maneira […] soldados da OTAN para seu território, deixá-los lá e depois encarregá-los de resolver problemas com Donbass", disse.

    Em janeiro de 2015, a Suprema Rada (Parlamento da Ucrânia) adotou uma declaração em que a Rússia é considerada "país agressor", uma vez que Kiev acredita que a Rússia interfere nos assuntos da Ucrânia, assim como está envolvida no conflito de Donbass. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia chamou essas declarações de "insinuações públicas sem fundamento". Moscou afirmou repetidamente que não faz parte do conflito interno da Ucrânia e não está envolvida nos eventos no sudeste. Seu único interesse é que Kiev consiga superar a crise política e econômica.

    Mais:

    Imprensa dos EUA chama 'radares voadores' russos A-50U de 'perigo mortal'
    Militares de alto escalão dos EUA e do Canadá teriam chegado a Donbass
    Presidente ucraniano discute situação em Donbass e sanções contra Rússia em Washington
    Tags:
    constituição, bases militares, União Europeia, Frota do Mar Negro, Suprema Rada, OTAN, Pyotr Poroshenko, Crimeia, Donbass, Moscou, Rússia, Kiev, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik