09:21 26 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Michelle Bachelet, presidenta do Chile

    Ex-presidente do Chile no comando dos Direitos Humanos na ONU pode ajudar Lula?

    © AFP 2018 / Johan Ordonez
    Análise
    URL curta
    13176

    Defensora de primeira hora da liberdade do ex-presidente Lula, a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, assumiu neste sábado a chefia do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos.

    A chilena Michelle Bachelet assume o cargo na ONU em um momento conturbado na questão dos direitos humanos na América Latina, envolvendo as crises na Venezuela e na Nicarágua. Além disso, ela vai precisar lidar com as migrações da América Central e do México, que esbarram na política migratória dos Estados Unidos.

    Como se não bastasse, o processo eleitoral brasileiro está a todo vapor, com o impedimento de Lula, preso, de ser candidato à Presidência na eleição de outubro.

    Será que a presença de Bachelet poderá afetar a atuação da ONU na região? Sputnik Brasil conversou sobre o tema com Marcelo Zero, assessor da liderança do PT no Senado. Ele lembrou que a ex-presidente chilena é amiga pessoal e uma pessoa muito próxima ao ex-presidente Lula.

    "Eles têm posições políticas bastante próximas", concorda Marcelo Zero.

    Segundo ele, a sua nomeação ao cargo vem em boa hora.

    "Ela é uma pessoa extremamente comprometida com os princípios democráticos e com a defesa dos direitos humanos. A escolha dela para esse cargo de extremo relevo da ONU acontece de maneira muito oportuna, no momento em que na América do Sul se observam muitos retrocessos políticos no campo democrático e no campo dos direitos humanos", acrescentou o especialista.

    No entanto, Zero não acredita que o posicionamento do Comitê de Direitos Humanos vá mudar muito a respeito da atual privação de Lula dos seus direitos políticos.

    "Com Michelle Bachelet ou sem Michele Bachelet eu acredito que essa decisão do comitê e as próximas decisões do comitê serão sempre muito bem tecnicamente embasadas e favoráveis à causa do [ex-]presidente Lula e dos direitos humanos no Brasil e no mundo", acrescentou ele.

    Ele também espera que Bachelet possa ser uma voz ativa e promover na ONU a sensibilidade de não recorrer ao uso político dos Direitos Humanos, como já se fez anteriormente, para isolar países que desagradam as potências mundiais.

    "É fundamental deixar de usar a questão dos direitos humanos para isolar politicamente os países. Isso sempre acaba prejudicando o povo inocente. Eu espero que Michelle Bachelet se conduza tentando negociar com esses países formas de melhorar a questão dos direitos humanos sem, entretanto, tentar isolar politicamente esses países", concluiu Marcelo Zero.

    Mais:

    Venezuela afirma que 'milhares' de imigrantes querem voltar para casa
    Nicarágua expulsa delegação dos direitos humanos da ONU
    Governo da Nicarágua rejeita relatório da ONU sobre violações de direitos humanos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik