08:06 26 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    11217
    Nos siga no

    Esta quarta-feira foi o último dia para a apresentação de impugnações da candidatura de Lula à Presidência. Na quinta-feira, 23, começa a contar o prazo de 7 dias para a defesa de Lula se manifestar.

    Após muita especulação e com o seu nome ainda liderando as pesquisas de intenção de voto, o ex-presidente Lula tem o seu direito de se candidatar à Presidência em outubro julgado pelo TSE. Mesmo preso e condenado em segunda instância, o nome de Lula foi aprovado em convenção do PT para encabeçar a chapa do partido nas eleições presidenciais. 

    Sputnik Brasil conversou sobre o tema com Silvana Batini, professora de Direito Eleitoral da FGV-RJ e integrante do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro. Para ela a situação traz insegurança jurídica, pois os prazos da lei permitem que a discussão dure mais do que o razoável. 

    "Hoje temos um procedimento com prazo extenso, considerando o período curto para o julgamento de registro" explicou a especialista. "Esse prazo foi pensado em outro contexto, em 1990", completou ela, ou seja, em uma época em que a campanha durava pelo menos três meses.

    "Todos os pedidos de registo devem estar devidamente julgados até o dia 17 de setembro. Por aí a gente percebe que é uma corrida contra o tempo".

    Por outro lado, segundo Batini, o Tribunal Superior Eleitoral está concentrado no momento a julgar apenas os pedidos de registro dos candidados a presidência da república "o que permite uma atenção maior, e uma abreviação desse tempo".

    A integrante do Ministério Público Federal, todavia, não vê praticamente nenhuma possibilidade do ex-presidente petista concorrer ao pleito.

    "Lula é inelegivel, e não se trata de uma opinião. A inelegibilidade dele é um efeito anexo de uma condenação proferida por um tribunal de segundo grau. Isso é a posição expressa da lei complementar 135, que é chamada de Ficha Limpa", afirmou a professora de Direito Eleitoral.

    A justiça não tem margem de discussão, pois parte da simples constatação da condenação existente, a menos que haja alguma liminar do próprio STJ ou do Supremo Tribunal Federal a favor do ex-presidente Lula, suspendendo esse ineligibilidade. "O que não conteceu até o agora, e parece improvável que aconteça", afirmou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Moro defende manutenção da prisão de Lula ao CNJ: soltá-lo seria 'situação de risco'
    Ministério Público se posiciona contra elegibilidade de Lula mais uma vez
    Lula está à frente nas intenções de voto em todos os cenários, diz nova pesquisa
    TSE nega novo pedido de Lula para participar de debate na TV
    'Isso não é novo': advogada do PT afirma que há precedentes para Lula ser candidato
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar