17:51 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Edifício do Departamento do Tesouro dos EUA, em Washington, 24 de janeiro de 2017

    'EUA estão perdendo posição', diz politólogo sobre pressão incessante de Washington

    © AFP 2019 / Paul J. Richards
    Análise
    URL curta
    650
    Nos siga no

    Os EUA bloquearam ativos russos correspondentes a centenas de milhões de dólares. Durante entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o cientista político Ildus Yarulin explicou por que americanos continuam aplicando política de sanções, e não apenas contra a Rússia.

    Washington congelou nos EUA os ativos russos correspondentes a milhões de dólares, declaração feita pela subsecretária do Tesouro dos EUA, Sigal Mandelker, responsável pelas sanções contra a Rússia. O documento foi publicado pouco antes de ser apresentado ao Comitê Bancário do Senado sobre pressão com sanções antirrussas.

    Ademais, os EUA adicionaram duas empresas e seis navios da Rússia na lista de sanções contra a Coreia do Norte.

    O Departamento do Tesouro americano declarou que os EUA continuarão impondo sanções antirrussas se "Moscou não mudar seu comportamento". Ao mesmo tempo, o departamento considera que o efeito de medidas restritivas é perceptível.

    Anteriormente, as autoridades dos EUA, pelo contrário, reconheciam que a política da Rússia não podia ser alterada com sanções.

    O professor da Universidade Estadual do Pacífico, Dr. Ildus Yarulin, disse o motivo pelo qual os EUA continuam aplicando uma política de sanções.

    "O conflito entre republicanos e democratas é acentuadamente aumentado antes das eleições intercalares. E acusar a Rússia por tudo, e por qualquer coisa, instiga o humor antirrusso que é usado por todos para conseguir votos. O inimigo foi designado, portanto, é necessário puni-lo. E quem pune ‘melhor', é o mais forte", ressaltou o professor.

    Em sua opinião, ao impor sanções, os Estados Unidos perseguem seus objetivos na competição global.

    "Há uma reorganização global em todo o mundo. Os Estados Unidos estão perdendo sua posição, enquanto muitas potências regionais tentam se identificar como participantes da luta pela divisão global do mundo. União Europeia, China e Rússia não perderam suas posições, e existem jogadores como a Turquia e o Irã. Para evitar que esses países se tornem participantes reais na batalha global pelo campeonato mundial, os americanos se comprometem com tudo".

    "Os interesses, não só da Rússia, estão sendo infringidos — há uma guerra econômica com a China, ataques às posições da Turquia, pressão ativa sendo exercida sobre os membros do BRICS, a luta pela Índia, as sanções iranianas […] Na guerra, todos os meios são bons. Mas enquanto a guerra ainda não está quente, ela começa a esfriar, e os americanos estão tentando nos deixar cada vez pior", concluiu Yarulin.

    Após a vitória de Donald Trump, os Estados Unidos acusaram a Rússia de interferir nas eleições de 2016, enquanto Moscou nega as acusações.

    Nas eleições de meio-termo norte-americanas em novembro de 2018, a composição completa da Câmara dos Representantes, um terço do Senado e um número de governadores serão escolhidos.

    A opinião do especialista pode não necessariamente coincidir com a da redação da Sputnik

    Mais:

    Chanceler britânico pede expansão das sanções contra Rússia
    'Não estamos em um beco sem saída', diz Irã sobre sanções dos EUA
    Kim Jong-un retruca proposta americana de sanções 'extorsivas' contra sua nação
    Analista norte-americano explica como Ucrânia se prejudica com sanções contra Rússia
    Tags:
    restrições, ativos congelados, pressão, sanções, Departamento de Tesouro dos EUA, Rússia, Washington, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar