23:37 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente dos EUA, Donald Trump

    Farsas e provocações: como nos EUA tentam enterrar melhora nas relações com Pyongyang?

    © AP Photo / Susan Walsh
    Análise
    URL curta
    262

    Em entrevista à Sputnik, um analista comentou as recentes declarações da inteligência norte-americana que a Coreia do Norte estaria construindo novos mísseis balísticos.

    A inteligência norte-americana comunicou sobre alegada descoberta no território norte-coreano de sinais de atividade parecida com o desenvolvimento de novos mísseis balísticos, o que contradiz os compromissos alcançados após o encontro entre o presidente norte-americano Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un em junho.

    A Sputnik Mundo falou com Georgy Toloraya, diretor de estudos coreanos da Academia das Ciências da Rússia (RAN, na sigla em russo) para pedir sua opinião quanto a estas declarações.

    "Existe uma conspiração daquela parte da administração que se opõe à política de aproximação com Pyongyang e à resolução da questão norte-coreana iniciada por Trump. A fim de impedir este processo, surgem informações falsas que a Coreia do Norte alegadamente está continuando seus avanços nucleares, bem como o aperfeiçoamento de seus sistemas de mísseis", explicou o analista.

    De acordo com ele, em uma análise mais profunda, dá para perceber "que está em curso uma atividade normal, iniciada ainda antes das conversações", e que não há nenhumas violações por parte dos norte-coreanos.

    "Não houve nenhuns compromissos vinculativos, sendo assim, Pyongyang tem direito de não fazer nada. Contudo, a Coreia do Norte já está dando certos passos. Por exemplo, começou a eliminar seu centro de lançamento de mísseis e suspendeu a atividade militar", acrescentou.

    Toloraya acredita que se trata de um exemplo típico de guerras informacionais e provocações que visam paralisar a normalização das relações entre os EUA e a Coreia do Norte.

    Contudo, o analista expressou sua estranheza quanto à eliminação do centro de lançamento. Segundo ele, as tecnologias norte-coreanas de lançamento de foguetes portadores no futuro poderiam se tornar um produto capaz de competir no mercado de serviços internacional. O analista acredita que Pyongyang poderia cooperar com a Rússia nessa área.

    Entretanto, Georgy Toloraya assinalou que, por enquanto, ainda é cedo para falar sobre uma desnuclearização completa da Coreia do Norte.

    Ele recordou que Pyongyang tinha pedido para lhe fornecerem garantias firmes de sua segurança. Contudo, é difícil que Washington possa assegurar essas garantias, já que com a chegada de um novo presidente dos EUA, "todas elas podem ser jogadas na lixeira".

    "A Coreia do Norte está pronta para fazer certas concessões, mas por estar percebendo que isso ainda está longe de acontecer, opta por uma atitude de várias fases, ou seja, a normalização das relações gradual e a redução do programa nuclear. Contudo, ninguém pode prever quanto este processo pode demorar", assinalou Toloraya.

    Ele destacou que Pyongyang está dando passos concretos nessa direção. Por exemplo, os norte-coreanos já tinham lançado o processo de repatriamento dos restos mortais dos soldados norte-americanos falecidos durante a Guerra da Coreia de 1950 a 1953.

    "No futuro, caso a normalização corresponda ao plano elaborado, o presidente dos EUA e o líder norte-coreano podem vir a se encontrar de novo. Seu primeiro encontro tinha uma probabilidade de acontecer de 30% a 50%, mas apesar disso, ele se realizou", ressaltou.

    Mais:

    Repetição de cenário com Coreia do Norte? Analista avalia as chances de EUA atacarem Irã
    EUA não pretendem aliviar sanções contra a Coreia do Norte, diz secretário
    Coreia do Norte diz que desnuclearização pode falhar após conversas com EUA
    Tags:
    propaganda, farsa, desnuclearização, relações bilaterais, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik