02:43 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Declaração de Imposto de Renda

    Especialista: Brasil é último da lista em retorno de arrecadação mais uma vez

    Marcos Santos/USP Imagens
    Análise
    URL curta
    0 51

    Segundo pesquisa do IBPT - Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação - o Brasil está no último lugar da lista de 30 países com maior carga tributária do mundo em retorno da arrecadação dos tributos recolhidos.

    A classificação é feita através da comparação entre a arrecadação e o IDH – Índice de Desenvolvimento Humano. O país figura atrás de vizinhos como Argentina e Uruguai. Por que o Brasil é tão mal colocado nesse ranking? Quais são os principais desafios para que o país melhore sua situação? 

    Segundo João Elói Olenike, presidente executivo do IBPT, a situação não deve se alterar a curto nem médio prazo. Olenike afirma que a posição do país só melhoraria no caso do aumento do índice de desenvolvimento humano. Seria necessário "erradicar a pobreza, melhorar a alfabetização e a saúde", afirmou ele.

    O pesquisador explicou que primeiro foi criado o índice de retorno do bem estar à população, o IRBES. A partir daí foi criado um ranking.

    "Para fazer o ranking nós pegamos os 30 países com maior carga tributária do mundo, com o Brasil inserido entre este". 

    Essa já a oitava edição do ranking e o Brasil sempre foi o último colocado.

    O cálculo do IBRT difere da metodologia da Receita Federal e considera alguns tipos de despesa como tributos. No total, alega o instituto, a carga tributária sobre a população no Brasil é de 34,3%.

    A soma deve atingir este ano o valor de 2,3 trilhões de reais. Apesar da vultosa soma de recursos, eles não são retornados à população, alerta o presidente do instituto.

    "A tributação no Brasil penaliza muito aqueles que ganham menos, porque a arrecadação se concentra no consumo. E no consumo a arrecadação é regressiva. Infelizmente, aqueles que ganham menos acabam, proporcionalmente, pagando mais", explicou o pesquisador.

    "Deveríamos tributar mais patrimônio, mais renda, mais lucro, e muito menos o consumo", acrescentou.

    IBRT afirma que a carga tributária em si não é o principal problema. O que deve ser analisado seria justamente a relação da carga com o retorno dos recursos para a sociedade.

    "A carga tributária não tem uma importância muito grande. Tem países com carga tributária acima de 40%, mas lá não se fala em carga tributária. Porque lá o cidadão tem um retorno espetacular. Está tranquilo pelo resto da vida. Tem saúde, educação, moradia e transporte", afirmou João Elói Olenike.

    Mais:

    Rodrigo Maia anuncia acordo para reduzir imposto sobre a gasolina e o diesel
    R$ 700 bilhões: Cadê meu dinheiro que estava aqui? O imposto comeu
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik